Quarta-feira, 31 de Janeiro de 2007

Muita sabedoria, ainda e sempre actual.

£

    Da guerra os grandes culpados

    Que espalham a dor da terra,

    São os menos acusados
 
    Como culpados da guerra.

£

    À guerra não ligues meia,
    Porque alguns grandes da terra,
    Vendo a guerra em terra alheia,
    Não querem que acabe a guerra.

£

 António Aleixo

£

http://acaciasrubras.no.sapo.pt/biblioteca/poesia/antonio_aleixo/

publicado por eu-calipto às 13:17

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 30 de Janeiro de 2007

Só para ver

Não dá para imprimir. As impressoras bloqueiam. Ainda bem !

0000pbf4

publicado por eu-calipto às 21:45

link do post | comentar | favorito
|

Nova tecnologia é aquilo que não conhecemos ?

0000q72t

_____________________________________

publicado por eu-calipto às 21:41

link do post | comentar | favorito
|

Para quem tiver paciência para ler textos longos.

Como progredir na carreira científica em Portugal

 

Segundo estatísticas recentes Portugal é um dos países Europeus onde menos se investe em investigação científica. Quando falamos destes números referimo-nos ao investimento financeiro em laboratórios, em caros equipamentos e em número de investigadores. Se isto é verdade, poderemos explicar um certo atraso em médias globais, mas não impede que neste ou naquele domínio não possamos fazer algo de inovador, com valor científico, com interesse para a evolução do conhecimento e da sociedade. Se as leis infalíveis das estatística e das probabilidades também funcionarem em Portugal, de vez em quando aparecerão indivíduos super dotados e com capacidade para fazer algo inovador e útil. Então é preciso criar mecanismos para identificar estes elementos,  dar-lhes as condições para desenvolverem as suas capacidades. Uma forma de descobrir quem são as pessoas mais capazes intelectualmente é criar mecanismos de avaliação eficazes.

Tudo começa nas escolas e nas universidades com os sistemas de classificações. Por vezes estes sistemas estão de tal modo errados que quem tem mais elevadas classificações não são os mais inteligentes, mas os que têm melhores condições exteriores, como melhores professores ou explicadores, ou simplesmente se adaptam melhor a um sistema errado de avaliação. Por exemplo, na avaliação do ensino, é muito mais fácil classificar os alunos pela sua memória do que por capacidade de assimilação do conhecimento, ou poder de inovação. Assim, pode começar logo mal a escolha dos futuros cientistas. Podem chegar à carreira académica das Universidades e dos Centros de Investigação indivíduos menos capazes do que seria necessário e desejável, tendo ficado pelo caminho, por falta de oportunidades, ou falta de estímulo, ou vencidos pelo sistema, outros elementos potencialmente com valor. Muitos dos professores e investigadores são bons a aprender e a reproduzir conhecimentos já explorados, mas demonstram dificuldade em partir para novas ideias e explorar outras leis da natureza. Nas universidades e nos centros de investigação, mais uma vez é necessário criar mecanismos de avaliação das actividades, que condicionem a progressão nas carreiras científicas. Nesta fase pode cometer-se o segundo erro fatal. Se os mecanismos de reconhecimento das capacidades individuais, do mérito e do trabalho não forem correctos, podem chegar às funções de chefia e cargos de decisão elementos menos úteis à sociedade e ao desenvolvimento das sociedades e do conhecimento científico. Diga-se que o pior que pode acontecer é ter nas posições cimeiras elementos incompetentes, ambiciosos, egoístas, com falta de carácter e intelectualmente desonestos. Se e quando isto acontece em grau mais ou menos elevado, inicia-se um ciclo vicioso de perpetuação da escolha de outros elementos semelhantes. A incompetência, ou por auto defesa, ou por incapacidade, tem tendência a proteger outra incompetência.

Um mecanismo lógico de avaliação seria o de dar condições para desenvolver trabalhos científicos, de desenvolvimento experimental, e avaliar a criação de equipas, contactos com o mundo exterior, nomeadamente as intervenções em sessões públicas, congressos, cursos, etc.. Como este processo é necessariamente longo e trabalhoso, existe a tentação de alguns por cortar caminho e ir directamente ao objectivo final – fazer apenas currículo. Neste caso, publica-se e divulga-se conhecimento repetitivamente e de baixa qualidade, sem fundamentação científica experimental e em muitos casos sem utilidade prática nem baseada na evolução de conhecimentos teóricos. O único objectivo é o número.

Infelizmente para Portugal, estes factos são uma parte muito representativa da realidade. Um dos exemplos é o chamado “paperismo”, para designar a procura cientificamente inconsequente de publicar “papers”, com a única intenção de engrossar as listas dos currículos. Quem diz “paperismo” pode também dizer “patentismo”, para aqueles que produzem patentes sem qualquer utilidade prática ou interesse científico, apenas por autoconvencimento dos seus autores, ou pior, com má intenção, de acrescentar mais uns pontos ao seu currículo. Felizmente ainda há muita gente séria que faz os seus trabalhos com bases sólidas e de forma generosa. Nada seria mais injusto do que confundir as pessoas de valor e generosas com oportunistas ambiciosos. Os sistemas devem criar mecanismos sensíveis aos dois tipos de atitude. Deve identificar-se e separar-se o que é diferente.

A ciência não pode ser amoral, como não pode ser estéril no sentido de nada contribuir para o desenvolvimento da sociedade. Como as leis da física e da termodinâmica ensinam, todos os sistemas, ou estão em equilíbrio e assim permanecem, ou tendem para um equilíbrio que será atingido mais tarde ou mais cedo. Também na sociedade e na ciência nenhuma situação artificial e não sustentável se aguenta eternamente. Como diz o povo, pode enganar-se uma pessoa todo o tempo, algumas pessoas durante algum tempo, mas não se consegue enganar toda a gente durante todo o tempo.

Mauzinho

 

publicado por eu-calipto às 21:36

link do post | comentar | favorito
|

A propósito do novo ambientalista da piada anterior

  

     Há tantos burros mandando

     Em homens de inteligência,

    Que às vezes fico pensando

    Que a burrice é uma ciência.

    

              António Aleixo

 

publicado por eu-calipto às 19:19

link do post | comentar | favorito
|
Segunda-feira, 29 de Janeiro de 2007

Para descontrair.

Mais cego do que quem não tem olhos é aquele que não quer ver !

publicado por eu-calipto às 21:44

link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 28 de Janeiro de 2007

Para pensar !

Investir em floresta ?

Todos sabemos que a actividade florestal tem um enorme peso na preservação do ambiente, mas não nos podemos esquecer que também se trata de uma actividade económica, como o é a agricultura, e como tal tem que ser rentável para quem faz o seu investimento neste sector. Os técnicos florestais e economistas têm que responder muitas vezes a esta pergunta: "Vale a pena investir na floresta? Que espécies?" A maior parte das vezes faz-se um grande esforço para não dizer ao proprietário: "Tenha juízo e invista mas é noutra coisa qualquer!".

Numa lógica simplesmente económica, nos últimos anos a única resposta que foi dada foi que era mais rentável uma floresta de eucalipto para a produção de pasta para papel, do que uma floresta de carvalhos ou outras Folhosas autóctones de longas rotações.

A resposta à questão da rentabilidade das plantações para a produção de qualidade pode ser dada por evidências do que está a acontecer relativamente a madeiras importadas da Finlândia, Suécia, Canadá e Estados Unidos. Trata-se de espruce, pinho silvestre e carvalho, que estão a ser comercializados em Portugal a preços competitivos e muito boa qualidade para estruturas em madeira, casas pré-fabricadas, pavimentos e mesmo mobiliário. Como conseguem aqueles países produzir madeiras de qualidade em rotações de cerca de 80 anos, que vendem muito longe do local de produção produção, suportando os elevados custos da sua mão de obra e os transportes, ganhando mesmo assim dinheiro? Claro que a esperança de vida nos países do Norte é apenas dois ou três anos superior à nossa, portanto, lá como cá quem planta as novas árvorezinhas nunca vai tirar os proveitos directos do seu trabalho. Como resolvem eles o problema? Organização, conhecimento e investimento em tecnologias adequadas.

Assim, talvez não seja necessário nós em Portugal inventarmos nada, bastaria copiar bem. Parece que o que falta aos portugueses é paciência e organização. Somos muito ansiosos, impacientes, pouco perseverantes, gananciosos talvez.

Quanto aos eucaliptos, também esta espécie pode dar boa madeira, juntando as vantagens de uma rápida produção com uma qualidade dos produtos fabricados. Como se consegue isto? Com conhecimento, investimento, profissionalismo, objectivos bem definidos e planeamento a médio/longo prazo.

José A. Santos

publicado por eu-calipto às 19:50

link do post | comentar | favorito
|

Finalmente produto acabado

0000e4t4

publicado por eu-calipto às 19:48

link do post | comentar | favorito
|

Pranchas verdes de eucalipto

0000ctdk

publicado por eu-calipto às 19:45

link do post | comentar | favorito
|

As árvores morrem de pé, mas são cortadas deitadas

publicado por eu-calipto às 19:40

link do post | comentar | favorito
|

Para sempre recordar

    

   “Honra e glória à Árvore, sublime exemplo

    de inteira dedicação, de dádiva plena e

    infinda generosidade

 

       Albino de Carvalho

 

publicado por eu-calipto às 19:29

link do post | comentar | favorito
|
Sábado, 27 de Janeiro de 2007

Apresentação sobre o eucalipto. Conferência em Santiago de Compostela.

publicado por eu-calipto às 19:47

link do post | comentar | favorito
|

texto colonialismo

Colonialismo negro !

Os brancos colonizaram África indo para lá viver e considerando aquela terra como também sua. Mas isso já lá vai. Os brancos que actualmente têm a paciência de viver em África são essencialmente de dois tipos extremos. Uns, muito poucos, são idealistas que querem ajudar os africanos sem nehum benefício para si próprios. Neste grupo encontram-se pessoas de elevado nível moral e mesmo cultural. O outro grupo, maioritário, pessoal com dificuldades de colocação nos seus países de origem e querem governar a vida, ou então aventureiros apenas interessados em fazer fortuna por qualquer meio, de forma legal ou menos legal. Neste último sub-grupo encontram-se as pessoas com  pouca preparação científica e profissional e moralmente muito fracos. Fazem amizades de circunstância com os negros, transmitindo-lhes a mesma cultura do egoísmo e salve-se quem poder. Recorrem ao suborno, alimentando a elite negra. Com comportamento semelhante com o que está a fazer Mugabe e Eduardo dos Santos, cada vez os cooperantes serão menos preparados e mais oportunistas. Vão diminuindo as pessoas que mais os podiam ajudar.

Em resumo: os países ricos serão cada vez mais ricos e vivem cada vez melhor, enquanto os povos mais atrasados ficarão cada vez pior. Lembrem-se que actualmente os países "ricos" já não precisam das matérias-primas, energia e alimentos do terceiro mundo.

Conclusão: os povos africanos deixaram de ser colonizados pelos povos de raça branca e passaram a ser "escravizados", explorados, colonizados por governos incompetentes e corruptos e suas famílias. Parece paternalismo, mas infelizmente para eles, é a realidade. Como sair deste ciclo? Ninguém sabe por enquanto. Talvez o tempo venha a dar uma solução, mas muita gente vai ainda ser sacrificada e muitas crianças vão continuar a passar fome

Mauzinho

publicado por eu-calipto às 18:51

link do post | comentar | favorito
|

pesquisar

 

Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Moção de "auto-censura" p...

Rei Ghob

Confirmação da injustiça ...

Os intocáveis

Roubados e ainda temos de...

Não sejam mal agradecidos...

Rir é o melhor remédio, s...

Miguelito Relvado - O Ban...

Carlos Alex. Quem é ele? ...

Aeroporto no Montijo - er...

Mário Soares - o bochecha...

Bom Ano Novo

Atentados. Pode haver ou ...

Prisão, prisão, presão, p...

Justiça inútil ou "injust...

Polémica - Nova investiga...

Antoniodominguesmania - o...

Pedro Dias, Pedro Dias, P...

A lata deste gajo é imbat...

Marques - Mentes

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

favorito

Venha o diabo e escolha.

links recomendados

Tempo

blogs SAPO