Domingo, 26 de Fevereiro de 2012

Injustiça em nome da paz social

No processo Casa Pia torna-se cada vez mais evidente que ninguém pode garantir com absoluta certeza quem é culpado ou quem é inocente, se há alguém inocente ou se há alguém culpado. Porque se pode dizer isto? Porque as provas são fracas, em algumas situações são inexistentes, baseadas em testemunhos dos próprios “abusados”. É estranho em tantos crimes não haver escutas telefónicas ou registos de chamadas, comprovativos de portagens, testemunhas visuais independentes, fotografias, etc. O tribunal teve de alterar datas específicas para datas incertas. E porque motivo o processo demorou tanto tempo?

Se por um lado não custa a acreditar que tenha havido abusos, a começar por elementos da própria Casa Pia e nalguns casos prostituição voluntária dos próprios jovens, por outro lado a forma e o momento para o assunto aparecer na comunicação social levanta muitas dúvidas. Estava em início o processo das burlas no BPN, com fortes ligações a elementos destacados do PSD. Havia eleições a aproximar-se e o PS tinha fortes possibilidades de consolidar o poder. Porque razão a maioria das suspeitas foram recaindo sobre elementos da direcção do Partidos Socialista? Seria apenas coincidência? A opinião pública foi sendo induzida por uma comunicação social muito pouco imparcial. Ao mesmo tempo aproveitaram para vender jornais, muitos jornais, pois nestes assuntos, quanto mais escandalosa fosse a notícia mais se vendiam jornais. Sabe-se hoje de enormes mentiras que foram sendo ditas, não confirmadas posteriormente.

O processo chegou ao fim na primeira instância com várias e pesadas condenações. Houve recursos, publicação de livros, declarações contraditórias de alguns dos próprios jovens abusados.

Na fase de avaliação dos recursos um alto cargo da justiça veio dizer esta frase que eu considero uma grande “barbaridade”. - “É necessário que os tribunais superiores confirmem todas as penas, em nome da paz social”.

Mas o que é isto? Se tiver havido um erro judiciário, um alto cargo da justiça vem defender que a verdade seja trocada pela “paz social”? É possível trocar justiça e verdade por paz social? Isto é negociável? Há alguma moralidade ou pode construir-se um Mundo melhor, cujo preço a pagar seja comprar a “paz social” com um possível “erro judiciário”? É isto aceitável para pessoas justas, com carácter e moral?

Neste momento, para mim, mais importante do que saber a verdade sobre os abusos sexuais, começa a ser o perigo desta troca entre a "paz social" a "justiça" se propagar para outros processos. Se por hipótese isto se vier a verificar de facto, então os processos começam a ser decididos nos jornais e nas televisões muito antes dos julgamentos em tribunal. Deixam de ser necessários juízes, advogados, peritos, investigação rigorosa e competente, em suma, deixa de ser necessário haver lei.

A paz social pode ser a moeda para comprar tudo. Mas não pode haver maior erro. Isto seria verdadeiramente a inversão da justiça. Seria a subjugação do direito pela manipulação. A lei dos tribunais pelos julgamentos populares e pela anarquia. O fim do que pensávamos ser o Mundo civilizado. Isto não pode ser verdade. Não pode!

publicado por eu-calipto às 23:34

link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 21 de Fevereiro de 2012

Mundo cão da justiça

O mundo cão tem várias raças, incluindo a mais perigosa que é a de duas patas e que usa gravata. A começar pela justiça, ou pela falta dela.

Os tribunais e os nossos procuradores são pagos para fazer justiça, mas em vez disso têm-se revelado mais interesados em fazer política e defender interesses pesssoais.

Os recentes e menos recentes casos: Casa Pia, Freeport e Face Oculta são os exemplos mais acabados do que quero dizer.

No primeiro criaram-se expectativas de crime organizado que não se confirmaram de todo na investigação, mas depois da opinião pública completamente intoxicada e manipulada os procuradores e juízes não tiveram outra solução mais corajosa do que condenar (provavelmente) alguns inocentes, esquecendo o princípio básico de que, em caso de dúvida, é preferível deixar um culpado sem castigo do que condenar um inocente. Ficou na rede Carlos Cruz. Tiveram muita sorte Ferro Rodrigues e Jorge Sampaio; Paulo Pedroso por não terem sido mais incomodados.

Leiam um pouco do primeiro capítulo do livro de Carlos Cruz. Já tínhamos todos ouvido a versão de Felícia Cabrita. É bom para fazer uma opinião ouvir o que tem a dizer a outra parte.

http://www.vogais.pt/docs/inocente.pdf

O processo Freeport, começou mal, com uma denúncia anónima organizada pela polícia, e deu em nada depois de tantas escutas de tanto dinheiro envolvido, luvas, CDs com gravações escondidas, chamadas telefónicas, contas bancárias, etc. Conseguiram corroer um primeiro Ministro, que aliás sempre foi o principal e único alvo a abater. Enquanto estava em fase segredo de justiça surgiam todas semanas retalhos do processo no Jornal Sol e quase todos os dias no Correio da Manhã. Agora que o processo foi arquivado e é público, deixou de se falar dele.

No Processo Face Oculta, pegaram nas trafulhices habituais de um sucateiro e acharam que tinham descoberto uma rede tentacular de corrupção. Como não teria efeito julgar casos individuais e separados de irregularidades de pesagens e esclarecer detalhes de contratos, acharam uma boa ideia formar um grupo imenso de 34 pessoas e mais duas empresas, e chamar a esta enfabulação "polvo", juntando num único processo pessoas que nunca se tinham conhecido entre si, e ornamentado com as cerejas em cima do bolo, a que chamaram os altos cargos da administração de empresas públicas, quase todos ou todos inocentes. Digo inocentes porque a comunicação social, só revela para a opinião pública as suspeitas (quase todas ridículas) dos procuradores do Ministério Público (M. Vidral e C. Philips). Quando são apresentadas em tribunal provas da inocência de alguns dos arguidos isso não passa na comunicação social. Quando alguns contestaram a roubalheira de Godinho os procuradores dizem que era "... para dar um ar formal de seriedade ...". Quando se pergunta pela contrapartida da "corrupção" não têm mais nada a escrever e dizer do que "... para ficar na boa consideração dos seus superiores ...".

Tudo isto aconteceu desta forma porque quiseram que o processo tivesse um efeito corrosivo e devastador na credibilidade de um primeiro ministro e de um partido político. Mais do que tudo, aconteceu uma manipulação de alguns elementos da justiça para atingir fins políticos.

E os procuradores e juizes cobardes conseguem dormir descansados? Se forem minimamente inteligentes isso admira-me muito, porque perceberão onde está a verdade, que eles próprios tentam esconder, o que revela  mau carácter e desonestidade intelectual. Se não percebem que estão a cometer grandes injustiças ainda será pior, pois neste último caso estamos perante verdadeiros imbecis e incompetentes.

O erro judiciário é das piores coisas que podem acontecer a uma sociedade. 

No caso particular de Carlos Cruz é bem possível que os juízes tenham tido medo da comunicação social, da opinião pública e do preconceito. Não estariam dispostos e receber críticas de terem perdoado criminosos porque eram pessoas "importantes", tendo em conta que o julgamento popular já estava feito. Pensaram só em si e na forma mais fácil de se "safarem".

Isto assusta.

publicado por eu-calipto às 21:58

link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 10 de Fevereiro de 2012

Maldição ?

Porque razão estranha alguns alemães embirraram com Portugal e com os países do Sul?

Todos os alemães que conheço pessoalmente são excelentes pessoas.

De onde aparecem estes "cromos"?

http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=525662&tm=9&layout=122&visual=61

http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=525561&tm=9&layout=121&visual=49 

Estas duas cavalgaduras pensam que só elas é que têm direito à vida.

Para o bem e para o mal, os portugueses estiveram 500 anos em África. Os novos países falam a mesma língua que nós. Querem a nossa colaboração e amizade. Há muitos portugueses fortemente ligados emocionalemnte às áfricas.

Só faltava ficarmos limitados na nossa soberania porque isso faz "comichão" aos alemães que não conseguiram nenhum novo país a falar a sua língua.

Só eles é que podem fazer negócios com quem quiserem?

É inacreditável o que estes senhores dizem!!

E estão a fazer escola. Outros senhores do Norte querem mesmo arranjar inimizades. Acusam os do Sul de serem preguiçosos. Querem austeridade para os outros, e não estão dispostos a ajudar generosamente. Ainda cobram juros agiotas para os empréstimos que nos vão fazendo como um grande favor.

Quando procuramos soluções por nós próprios, vem este senhor dizer que devemos procurar os nossos problemas só na Europa. Porquê? Como? Com quem?

Temos de pensar seriamente em mandar estes senhores do Norte à m&rd@.

Juntemo-os com os nossos amigos.

Está a chegar de novo a época do "orgulhosamente sós, com os nossos amigos", porque já chegou o "salve-se quem puder".

publicado por eu-calipto às 19:13

link do post | comentar | favorito
|
Quarta-feira, 8 de Fevereiro de 2012

Teoria das janelas partidas

http://en.wikipedia.org/wiki/Broken_windows_theory

 Enviaram-me este texto anónimo, já traduzido da teoria. Vale a pena ler.

Em 1969, na Universidade de Stanford (EUA), o Prof. Phillip Zimbardo realizou uma experiência de psicologia social. Deixou duas viaturas abandonadas na via pública, duas viaturas idênticas, da mesma marca, modelo e até cor. Uma deixou em Bronx, na altura uma zona pobre e conflituosa de Nova York e a outra em Palo Alto, uma zona rica e tranquila da Califórnia.

Duas viaturas idênticas abandonadas, dois bairros com populações muito diferentes e uma equipa de especialistas em psicologia social estudando as condutas das pessoas em cada sítio.

Resultou que a viatura abandonada em Bronx começou a ser vandalizada em poucas horas. Perdeu as jantes, o motor, os espelhos, o rádio, etc. Levaram tudo o que fosse aproveitável e aquilo que não puderam levar, destruíram. Contrariamente, a viatura abandonada em Palo Alto manteve-se intacta.

É comum atribuir à pobreza as causas de delito. Atribuição em que coincidem as posições ideológicas mais conservadoras, (da direita e esquerda). Contudo, a experiência em questão não terminou aí, quando a viatura abandonada em Bronx já estava desfeita e a de Palo Alto estava há uma semana impecável, os investigadores partiram um vidro do automóvel de Palo Alto.

O resultado foi que se desencadeou o mesmo processo que o de Bronx, e o roubo, a violência e o vandalismo reduziram o veículo ao mesmo estado que o do bairro pobre.

Porquê que o vidro partido na viatura abandonada num bairro supostamente seguro, é capaz de disparar todo um processo delituoso?

Não se trata de pobreza. Evidentemente é algo que tem que ver com a psicologia humana e com as relações sociais.

Um vidro partido numa viatura abandonada transmite uma ideia de deterioração, de desinteresse, de despreocupação que vai quebrar os códigos de convivência, como de ausência de lei, de normas, de regras, como que vale tudo. Cada novo ataque que a viatura sofre reafirma e multiplica essa ideia, até que a escalada de actos cada vez piores, se torna incontrolável, desembocando numa violência irracional.

Em experiências posteriores (James Q. Wilson e George Kelling), desenvolveram a 'Teoria das Janelas Partidas', a mesma que de um ponto de vista criminalístico, conclui que o delito é maior nas zonas onde o descuido, a sujidade, a desordem e o maltrato são maiores.

Se se parte um vidro de uma janela de um edifício e ninguém o repara, muito rapidamente estarão partidos todos os demais. Se uma comunidade exibe sinais de deterioração e isto parece não importar a ninguém, então ali se gerará o delito.

Se se cometem 'pequenas faltas' (estacionar-se em lugar proibido, exceder o limite de velocidade ou passar-se um semáforo vermelho) e as mesmas não são sancionadas, então começam as faltas maiores e logo delitos cada vez mais graves. Se se permitem

atitudes violentas como algo normal no desenvolvimento das crianças, o padrão de desenvolvimento será de maior violência quando estas pessoas forem adultas.

Se os parques e outros espaços públicos deteriorados são progressivamente abandonados pela maioria das pessoas (que deixa de sair das suas casas por temor aos gangs), estes mesmos espaços abandonados pelas pessoas são progressivamente ocupados pelos delinquentes.

A Teoria das Janelas Partida foi aplicada pela primeira vez em meados da década de 80 no metro de Nova York, o qual se havia convertido no ponto mais perigoso da cidade.

Começou-se por combater as pequenas transgressões: graffitis deteriorando o lugar, sujidade das estacões, ebriedade entre o público, evasões ao pagamento de passagem, pequenos roubos e desordens. Os resultados foram evidentes. Começando pelo pequeno conseguiu-se fazer do metro um lugar seguro.

Posteriormente, em 1994, Rudolph Giuliani, mayor de Nova York, baseado na Teoria das Janelas Partidas e na experiência do metro, impulsionou uma política de 'Tolerância Zero'.

A estratégia consistia em criar comunidades limpas e ordenadas, não permitindo transgressões à Lei e às normas de convivência urbana.

O resultado prático foi uma enorme redução de todos os índices criminais da cidade de Nova York.

A expressão 'Tolerância Zero' soa a uma espécie de solução autoritária e repressiva, mas o seu conceito principal é muito mais a prevenção e promoção de condições sociais de segurança. Não se trata de linchar o delinquente, nem da prepotência da polícia, de facto, a respeito dos abusos de autoridade deve também aplicar-se a tolerância zero.

Não é tolerância zero em relação à pessoa que comete o delito, mas tolerância zero em relação ao próprio delito.

Trata-se de criar comunidades limpas, ordenadas, respeitosas da lei e dos códigos básicos da convivência social humana.

Perante à quantidade de mentiras e explicações medíocres dadas por alguns dos nossos Governantes, directores de instituições educativas, chefes e líderes comunitários sobre este assunto, é bom voltar a ler esta teoria e em seguida difundi-la".

publicado por eu-calipto às 22:44

link do post | comentar | favorito
|
Domingo, 5 de Fevereiro de 2012

Façam o que eu digo, não façam o que eu faço ...

Há nove meses, ainda Sócrates era primeiro-ministro, uma repórter do Diário de Notícias, Maria de Lurdes Vale, escrevia:

http://www.dn.pt/inicio/opiniao/interior.aspx?content_id=1788438&seccao=Maria%20de%20Lurdes%20Vale&tag=Opini%E3o%20-%20Em%20Foco
«Terá de haver uma mudança de vida profunda, e já ninguém terá paciência para ser cúmplice de um regime que premeia os amigos e os conhecidos em detrimento dos que tiveram de fazer o caminho à sua própria custa. Ao contrário do que muitos pensam, esta revolta dos jovens de hoje talvez seja a primeira depois do 25 de Abril que tem pés e cabeça.» ? Contra os que sempre passaram à frente, DN, 20 de Fevereiro de 2011.
Há três meses, a mesma repórter foi nomeada assessora de imprensa do ministro da Economia, com vencimento equiparado a director-geral: 3900 euros por mês, acrescidos de ajudas de custo e subsídios de alimentação, Natal e férias. (Com remuneração superior, só a chefe de gabinete do ministro Santos Pereira: 5900 euros por mês mais ajudas de custo e subsídios de alimentação, Natal e férias.).

 Ditado antigo: " Bem prega frei Tomás: Façam o que ele diz, não façam o que ele faz".

A tal revolta dos jovens ela já não tem razões para fazer. Já está bem sentada à mesa.

publicado por eu-calipto às 22:36

link do post | comentar | favorito
|

pesquisar

 

Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Moção de "auto-censura" p...

Rei Ghob

Confirmação da injustiça ...

Os intocáveis

Roubados e ainda temos de...

Não sejam mal agradecidos...

Rir é o melhor remédio, s...

Miguelito Relvado - O Ban...

Carlos Alex. Quem é ele? ...

Aeroporto no Montijo - er...

Mário Soares - o bochecha...

Bom Ano Novo

Atentados. Pode haver ou ...

Prisão, prisão, presão, p...

Justiça inútil ou "injust...

Polémica - Nova investiga...

Antoniodominguesmania - o...

Pedro Dias, Pedro Dias, P...

A lata deste gajo é imbat...

Marques - Mentes

arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

favorito

Venha o diabo e escolha.

links recomendados

Tempo

blogs SAPO