Quarta-feira, 21 de Novembro de 2012

Fábrica de fazer comunistas

Funcionários públicos, uma palavra feia para designar trabalhadores pagos pelo Estado (professores, médicos e enfermeiros, serviços de segurança, bombeiros, pessoal dos laboratórios de Estado, serviços de normalização e inspeção, militares, serviços de limpeza, etc.), tudo é dispensável.

Alguém há-de fazer o trabalho deles, pago certamente. Se este pessoal depender de privados tem de haver uma empresa a gerir, a ir aos concursos, a tomar a decisão de admitir e de despedir pessoas, logo, alguém que só manda mas não trabalha (não faz as tarefas práticas realmente indispensáveis).

Aparece neste serviço privado uma nova parcela, que é o lucro do empresário, do "Deus" empreendedor (ver exemplo em *Nota).

Mas para vencer os concursos é preciso  demonstrar eficácia ao menor preço, mas também ter bons contatos, bons amigos no governo. Pelo menos é isto que se tem vindo a ver em muitos casos - as clientelas políticas, as fortunas hereditárias familiares (Champalimaud, Belmiros, Alexandres Soares dos Santos, Américos Amorins, etc., filhos de papás ricos, mulherzinhas gastadoras e primos na Suíça).

Conclusão. Quem trabalha recebe menos, quem não trabalha recebe mais. Deixa de haver ou fica muito reduzida a classe média.

Para onde vai então o dinheiro dos salários pagos aos funcionários públicos? Se não meterem debaixo do colchão, ou não queimarem em cigarrilhas de notas, ou não gastarem em viagens de luxo no estrangeiro ou a comprar SUVs, nem roupa de marca, nem telemóveis desnecessários, é distribuído pelos pequenos comerciantes, pelos agricultores, pelos dentistas e oculistas, ou pelos médicos privados, advogados, oficinas, cabeleireiros, etc., até pelas senhoras de limpeza e enfermeiras que tomam conta de idosos.

O dinheiro que não vai para o estrangeiro circula e faz estimular a economia, fazendo uma distribuição com critério de serviço bem prestado, melhor do que o Estado dar subsídios de TSU e fundos perdidos, ou beneficiar os "empreendedores" dos serviços públicos privatizados.

Acaba-se com a classe média que muda de opinião com as asneiras dos políticos, que faz crítica às decisões dos governos, que promove a cultura, e no final temos uma sociedade de miseráveis imbecilizados, a viver de umas esmolas dos patrões ricos.

Certamente não é isto que muita gente que votou no PSD quer, mas é para aqui que caminhamos com a "inevitabilidade" e com o "não há dinheiro". Não há dinheiro mas há muito dinheiro. Mesmo que haja menos dinheiro, o muito que ainda há mudou ou está a mudar de mãos. Quem defende este sistema tem vantagem.

Eu sou trabalhador pago pelo Estado com 38 anos de serviço. Já não posso ir procurar outro trabalho. Fiz um contrato e descontei cerca de 20% a 30% do salário que me pagavam para ter uma reforma que não me querem dar. Ajudei com o meu trabalho muitas empresas a ganhar dinheiro, muito dinheiro, ensinei jovens a trabalhar, deixei muitos textos escritos com informação técnica para as indústrias trabalharem, distribuí quase todo o dinheiro que ganhei pelo setor privado.

E agora? Voltamos à idade média? Sem protestar? Alegremente? Agradecendo uma esmola de uma sopa? Entregando as poucas reservas amealhadas para pagar prejuízos dos bancos?

Queixam-se dos comunistas, mas montaram uma fábrica de fazer comunistas. Esperem pela resposta.

*Nota: Sabem que são os defensores do sistema? Dois exemplos:

http://fait-divers.blogs.sapo.pt/309576.html

Carlos Moedas e Borges

Os arautos da transparência, têm como exemplo disso mesmo (transparência). O adjunto do primeiro-ministro, o senhor Carlos Moedas, veio agora a saber-se, tem 3 empresas ligadas às Finanças, aos Seguros e à Imagem e Comunicação. Como sócios, teve os senhores Pais do Amaral, Alexandre Relvas e Filipe de Button, a quem comprou todas as quotas em Dezembro passado. Como clientes, tem a REN, a EDP, o IAPMEI, a ANA, a Liberty Seguros, entre outros. Nada obsceno, para quem é adjunto de Pedro Passos Coelho! E não é que o bom do Moedas até comprou as participações dos ex-sócios para "oferecer" o bolo inteiro à mulher?! (Disse-o ele à Sábado). Não esquecer ainda que Carlos Moedas é um dos homens de confiança do Goldman Sachs, a cabeça do Polvo Financeiro Mundial, onde estava a trabalhar antes de vir para o Governo.

Também António Borges é outro ex-dirigente do Goldman, e que está agora a orientar (!?) as Privatizações da TAP, ANA, GALP, Águas de Portugal, etc. Adoráveis, estes liberais de trazer por casa, dependentes do Estado, quer para um emprego, quer para os seus negócios. Vale a pena lembrar uma vez mais que o Goldman and Sachs, o Citygroup, o Wells Fargo, etc., apostaram biliões de dólares na implosão da moeda única.



publicado por Eu mesmo às 22:10

link do post | favorito
Comentar:
De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 


pesquisar

 

Janeiro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Capa manipuladora da opin...

Matemática de jornalistas

Jornalismo cada vez mais ...

Golpe de Trump - Estava-s...

Corona TVs

Devia ser Ana (des)Leal

Sandra Felgueira - a conf...

Isabel dos Santos vs Jorn...

Nos melhores panos caem f...

Salário dos motoristas de...

Querem lá ver que quem co...

Pedro Pardal Henriques & ...

Greve dos camionistas de ...

O homenzinho que nunca se...

Enfermeiros cirúrgicos – ...

Vira o disco e toca a mes...

Actual Comunicação Social...

Os sabe-tudo ...

Só o Armando Vara e o Sóc...

Confirma-se previsão de "...

arquivos

Janeiro 2021

Outubro 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Novembro 2019

Agosto 2019

Abril 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Agosto 2018

Maio 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

links recomendados

blogs SAPO