Sábado, 31 de Março de 2007

Aeroporto na Ota. Sim ou não? Porquê!

Em Março de 2007 ainda há políticos e engenheiros em grande discussão sobre a necessidade ou não de construir um novo aeroporto em Lisboa. Ao que se sabe, há 30 anos que se começou a pensar que o aeroporto da Portela, já rodeado pela cidade, tinha de ser substituído por outro com maior capacidade e com garantia de maior segurança. Fizeram-se muitos estudos e a discussão final andou sempre à volta de duas localizações, a Ota e Rio Frio. A Ota é à beira de uma zona com relevo, sobre antigas pedreiras e circundada por montanhas (Montejunto) e pelo rio Tejo. Rio Frio é uma zona plana mas entre reservas ecológicas, áreas de migração de aves, Parque Natural do Estuário do Tejo e Reserva do Sado. Os terrenos são arenosos profundos com lençóis freáticos muito importantes e com sobreiros. Um aeroporto tem um impacte ambiental muito significativo como seja, o ruído, as contaminações do solo por óleos, a ocupação intensiva das áreas circundantes, etc. Não se deve esquecer que a passagem dos aviões produze sobre eles, e numa grande área, um acumular de gases queimados e partículas de combustível e de partículas de fumo. Tudo isto se pode infiltrar no solo se a terra for muito permeável.

Teoria da decisão

 

Para uma boa decisão, tanto em engenharia, como noutras escolhas, há metodologias que permitem um equilíbrio razoável entre os vários factores contra e a favôr da cada uma das possibilidades. Um dos métodos usado em engenharia de projecto baseia-se numa análise por Critérios ponderados.

 

Primeiro faz-se uma listagem dos critérios que vão servir para tomar a decisão, depois faz-se uma classificação da ordem de importância de cada decisão. No final faz-se a pontuação entre as soluções possíveis. O resultado da melhor solução aparece bastante afastado de factores subjectivos.

 

Novo Aeroporto de Lisboa

Critérios de ponderação para escolha do local:

A – financiamento Europeu;

B – capacidade de passageiros e movimentos de aviões;

C - duração de operação;

D - custo;

E – acessibilidade e proximidade de população utilizadora;

F – facilidade de construção;

G – segurança de voo

H - impacte ambiental

                 Determinação objectiva da ponderação de cada critério

0001fac1

>

Depois de definida a ponderação de cada critério faz-se a apreciação das duas soluções possíveis. No final faz-se um cálculo da classificação tendo em conta a ponderação de cada parâmetro.

=>                                                Classificação

0001gg53

Conclusão final: A localização na Ota tem alguns inconvenientes mas é melhor do que Rio Frio

 

Nota: Isto é apenas uma demonstração: A realidade será obviamente mais complexa, mas a metodologia de decisão é esta.

 

Devem-se rejeitar argumentos como:

- Movimentar 50 milhões de m3 de terra é como fazer uma torre de areias sobre o estádio de Alvalade com 10 km de altura (fazendo as contas dá pouco mais de 6000m de altura, mesmo que seja só a dimensão do relvado). É muita terra!, mas em 15 km por 12 km é uma altura de 26 cm (a magia da matemática);

- É necessário deslocar 5 km de linhas de alta tensão (não deve ser possível um local perto de Lisboa onde não tenha de se movimentar alguma coisa);

- Só está calculado para um sismo de intensidade média (se mesmo assim já é caro, imagine-se para um sismo de máxima intensidade. Custa menos reparar a pista, quando e se, um dia for necessário);

- Capacidade esgota-se dentro de 30 anos (haverá petróleo em 2050 para aeroportos e aviões, com cada vez mais milhões de passageiros por ano?);

- Há locais melhores (onde estão?);

- Existe um entreposto de armazenamento de gás natural em Aveiras de Cima, a 2 minutos de voo da Ota (são mais de cinco quilómetros com serras pelo meio);

- Os terrenos são todos lodosos (só 13 % é que são lodosos);

- O aeroporto é longe de Lisboa ( e as pessoas de Leiria, Coimbra, Tomar, etc., não contam ?)

 

Tudo muito bem explicado na página da NAER

  www.naer.pt

 

publicado por Eu mesmo às 11:16

link do post | comentar | favorito
Sábado, 17 de Março de 2007

16 de Março - 4 anos após o encontro dos Açores

A nossa memória não deve ser curta.

0001ccba

Nota: foto verdadeira. Clicar para ampliar.

Talvez o tamanho dos aviões indicasse o peso internacional de cada protagonista desta triste história. Quatro anos depois vejam o que os iluminados fizeram.

Resultado => os grandes encolheram e o mais pequenote engordou. Não é curioso?

publicado por Eu mesmo às 01:40

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 14 de Março de 2007

Incongruências dos gestores

Portugal é bem caracterizado por uma falta de organização crónica, não por falta de inteligências nos campos científico e técnico, nem por falta de capacidade de trabalho dos portugueses. Os dirigentes têm uma função fundamental na condução das organizações e da sociedade. Infelizmente muitos gestores de instituições, especialmente no sector público, passam o seu tempo a fazer funções de chefe de turma, ou na versão adulta desta função, capatazes de obra, como se pode constatar nos seguintes exemplos:

a)     Implementarem rigorosos sistemas de marcação de faltas (colocando barreiras de relógio de ponto na entrada das instalações, contratando seguranças, colocando câmaras de vídeo, etc.);

b)    Fazerem processos disciplinares por qualquer mínima ameaça à sua autoridade, nomeadamente a alguém por organizar acções de formação interna de colaboradores (sem custos para a instituição);

c)     Obrigarem todos os colaboradores a estarem calados (diga-se, sem iniciativa própria), seguindo o princípio de que mais vale um subordinado calado sem fazer nada, mas que não levante ondas, do que um que trabalha e peça condições para realizar novas tarefas;

d)     Tudo fazerem para que não se aumentem os salários nem se facilite as promoções, etc.;

e)     No estabelecimento de cotas para classificação dos funcionários, reservarem aos seus colaboradores próximos as classificações de excelente, deixando os restantes dirigentes intermédios numa situação embaraçosa, só com más classificações para distribuir;

f)     Gestores que impedem um trabalhador de colaborar numa função de ensino a novas gerações nas horas de tolerância do tempo de serviço nas plataformas fixas, mas autorizam que esse mesmo tempo seja utilizado para ir ao cinema;

g)     Com uma falta de sensibilidade total à realidade, divulgarem quase diariamente entre os seus colaboradores congressos, seminários, cursos, etc., em todos os locais do Mundo, com inscrições caríssimas, sem possibilidade alguma de um trabalhador por si próprio, e muito menos com verbas da instituição, ter acesso a tais acontecimentos;

h)     Divulgarem quase diariamente, durante meses ou anos, novos empregos na Comissão Europeia ou outros cargos internacionais;

i)       Exigirem para si próprios todas as condições, por exemplo, automóveis da alta gama para se deslocarem.

 

Em vez de se apoiarem nos quadros mais empenhados e competentes, fecham-se, e só ouvem conselhos dos oportunistas que desde cedo nas suas funções os rodeiam com salamaleques.

Na ânsia de organização, como não têm capacidade para identificar quem tem credibilidade e quem não tem, travam todas as iniciativas de trabalho dos colaboradores, tentando quase exclusivamente impor que todos estejam a horas de entrada e saída. Mas como conscientemente sabem que há fugas, mesmo às regras mais rigorosas (e há fugas), limitam o tempo máximo de trabalho diário a 9 horas. Quem honestamente trabalhar mais, não vê esse tempo compensado noutros dias de trabalho.

 

Resumo

No desejo de controlar o sistema, apenas incomodam e prejudicam quem faz o seu trabalho honestamente, deixando de fora os oportunistas, sempre bons aproveitadores de todas as fugas às regras estabelecidas.

Destes gestores incompetentes, incapazes de distinguir os que ajudam generosamente dos que tudo fazem para lucrar com as falhas da organização, não sai uma única ideia concreta para trabalho produtivo. Currículo inevitável de um gestor com as características enumeradas, levar à extinção ou à falência uma ou mais instituições e depois sair para reformas douradas. Os problemas ficam como sempre para serem resolvidos por quem é mais dedicado à casa.

PS: Nomes de instituições? Não é preciso.  Universidades, Centros Tecnológicos, Laboratórios de Estado, Direcções Gerais, Empresas Públicas, etc., etc..

 

Imaginação fértil? Talvez não! Surpresa, só para quem anda muito distraído.

 

Mauzinho

publicado por Eu mesmo às 23:02

link do post | comentar | favorito
Sábado, 10 de Março de 2007

Pinheiro rastejante

0001ahws

S. Pedro de Moel.

publicado por Eu mesmo às 21:25

link do post | comentar | favorito

Já são dois a dizer a mesma coisa.

 ____________________________________________

entrevista

António Campos

[Jornal de Notícias]

2005-06-27

 

"Governo deve proibir financiamento ao pinheiro"

 

Salvar a área florestal do País só será possível com o seu ordenamento e a reintrodução das espécies autóctones, como carvalhos e castanheiros, defende António Campos, ex-eurodeputado socialista, em entrevista ao JN .

 

Tem-se afirmado, desde sempre, que o problema dos incêndios florestais tem mais a ver com o ordenamento florestal do que com os meios disponíveis...

 

Honras sejam feitas a D. Dinis e a Aquilino Ribeiro, que eram bons técnicos florestais. O primeiro porque soube plantar o pinhal no sítio certo, em terrenos arenosos, encostado ao mar, sabendo que se tratam de resinosas que funcionam como um fósforo. Depois, Aquilino Ribeiro explicou muito bem a situação, no livro "Quando os Lobos Uivam", que todos os técnicos deviam ler, e não leram. Por isso, a multiplicação destas árvores só foi possível num país sorna.

 

J.N. - Mas essas árvores têm algum valor económico?

A madeira do pinheiro não tem valor. Custa cerca de 35 euros a tonelada, é vendida quando as árvores têm uma média de idade de 12 anos e não dão trabalho nenhum. No entanto, o Estado continua a financiar e os serviços a aconselhar a plantação de pinheiros. É bom não esquecer que a nossa floresta era de carvalhos, cuja madeira custa 600 euros a tonelada, e de castanheiros, que vale 750 euros.

 

J. N. - Como se resolve a questão?

É fundamental que o Governo proíba o financiamento ao pinheiro e faça a sua zonagem. Devia proibir o pinhal em solos bons ou regulares e incentivar o carvalho, castanheiro e a bétula que, além de serem as espécies originais, são muito mais resistentes ao fogo e preservam o solo. Através da queda da folha tornam os solos mais permeáveis à água.

 

J. N. - O eucalipto é igual?

O eucalipto interessou às indústrias de celulose. Foi um interesse de circunstância. Há dez anos que o valor dessa madeira é de 25 euros a tonelada. É uma árvore de crescimento rápido, mas já não temos capacidade para competir com a América Latina, onde cresce em metade do tempo e tem uma produção muito maior. Por isso, desde há dois anos que as celulosas também estão a deixar arder os seu eucaliptos. A plantação de eucaliptos decresceu, as pessoas perceberam que foram enganadas. Mesmo assim, mais de metade da floresta portuguesa é de pinheiros e eucaliptos, quando devia ser 90% de carvalhos e castanheiros.

...

 http://jn.sapo.pt/2005/06/27/sociedade/governo_deve_proibir_financiamento_p.html

publicado por Eu mesmo às 20:54

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 3 de Março de 2007

E no entanto ele resiste

00019y82

Este eucalipto vive perto de Mértola, no cimo de uma colina sem pinga de água, sobre um solo de xisto.

 

publicado por Eu mesmo às 23:50

link do post | comentar | favorito

Tem razão em muitas coisas !

«A limpeza da floresta é um mito»

Numa entrevista dada à revista Visão nº 545, de 14 de Agosto de 2003, o arquitecto paisagista Gonçalo Ribeiro Telles explicou como se deveria reordenar a paisagem portuguesa depois dos grandes incêndios de 2003, sem pinheiros nem eucaliptos.

Recordemos algumas das perguntas e respostas dadas na altura.

VISÃO: Quais são as causas desta calamidade dos incêndios?

GONÇALO RIBEIRO TELLES: A grande causa é um mau ordenamento do território, ou seja, a florestação extensiva com pinheiros e eucaliptos, de madeira para as celuloses e para a construção civil. O problema foi uma má ideia para o País, a de que Portugal é um país florestal. Lançou-se a ideia de que, tirando 12% de solos férteis, tudo o resto só tem possibilidades económicas em termos de povoamentos florestais industriais.

...

No século XIX, o pinheiro bravo veio para responder às necessidades do caminho-de-ferro que estava em lançamento. Mais tarde é que vem a resina, a indústria da madeira e a celulose. O pior é que se transformou o País num território despovoado e que, dadas as características mediterrânicas, arde até com as trovoadas secas.

VISÃO: A excessiva divisão do território (em meio milhão de proprietários) dificulta as limpezas florestais?

GONÇALO RIBEIRO TELLES: A limpeza da floresta é um mito.

O que se limpa na floresta, a matéria orgânica? E o que se faz à matéria orgânica, deita-se fora, queima-se? Dantes era com essa matéria que se ia mantendo a agricultura em boas condições e melhorando a qualidade dos solos. E, ao mesmo tempo, era mantida a quantidade suficiente na mata para que houvesse uma maior capacidade de retenção da água. Com a limpeza exaustiva transformamos a mata num espelho e a água corre mais velozmente e menos se retém na mata, portanto mais seco fica o ambiente.

VISÃO: Defende uma mata com que tipo de madeiras?

GONÇALO RIBEIRO TELLES: Madeiras para celulose é difícil porque temos agora uma forte concorrência no resto do mundo. Os eucaliptais, para serem mais rentáveis, só poderiam sê-lo no Minho que é onde chove mais de 800 mm ao ano. O eucalipto precisa de muita água e Portugal não pode concorrer com o Brasil e a África em termos de custo. Só se transformarmos o Minho num eucaliptal. Pode-se optar pelas madeiras de qualidade da cultura mediterrânica como todos os carvalhos, o sobreiro, a azinheira e pinhais criteriosamente distribuídos.

...

texto completo em:

http://visaoonline.clix.pt/default.asp?CpContentId=32342

publicado por Eu mesmo às 23:43

link do post | comentar | favorito

pesquisar

 

Agosto 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
18
19
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31

posts recentes

Salário dos motoristas de...

Querem lá ver que quem co...

Pedro Pardal Henriques & ...

Greve dos camionistas de ...

O homenzinho que nunca se...

Enfermeiros cirúrgicos – ...

Vira o disco e toca a mes...

Actual Comunicação Social...

Os sabe-tudo ...

Só o Armando Vara e o Sóc...

Confirma-se previsão de "...

CM - Correio Manhoso_ 5No...

Deus nos livre ...

Fogos florestais - comuni...

Fogos - Opinião de outros...

Gente séria é outra coisa

Justiça a reboque da comu...

República dos juizes

Moção de "auto-censura" p...

Rei Ghob

arquivos

Agosto 2019

Abril 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Agosto 2018

Maio 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

links recomendados

Tempo

blogs SAPO