Domingo, 27 de Junho de 2010

SCUT - quem paga, como, quando?

10 perguntas e 10 respostas

A discussão sobre o pagamento de portagens nas auto-estradas sem custos para o utilizador SCUT tem sido do pior que se tem visto nas televisões nos últimos tempos. Toda a gente fala e tem opinião sem ter pensado no assunto de forma séria e sem terem consultado os estudos, neste “todos” incluo alguns membros do governo, os responsáveis políticos da oposição, os jornalistas, os autarcas, todos os palpiteiros do costume. Assim, sinto-me completamente à vontade para dar a minha opinião. Vou apenas seguir um raciocínio lógico dedutivo, na forma de resposta a dez perguntas.

 

1 - Pergunta: As Scuts são realmente gratuitas?

Resp.: Não, não são nem nunca poderiam ser de borla!

Justificação: Estas estradas custaram dinheiro, há contratos a cumprir, portanto não há volta a dar, alguém tem de pagar.

 

2 - Pergunta: Se não pagar quem lá passa então quem paga?

Resp.: Todos nós, os que têm carro e os que não têm. Pagariam os que lá passam muitas vezes, assim como os que nunca passam!

Justificação: O governo tem de pagar aos concessionários.

 

3 - Pergunta: É possível colocar portagens manuais ou via-verde normal?

Resp.: Não!

Justificação: Estas estradas foram feitas com muitas saídas e em locais sem espaço para construir parques de portagens.

 

4 - Pergunta: Seria possível eliminar muitas saídas e deixar só nos locais onde há espaço para colocação de portagens?

Resp.: Sim, é uma das soluções, mas com enormes custos e desvantagens para os utilizadores!

Justificação: Os parques de portagens custam muito dinheiro a instalar e custos elevados de salários aos portageiros, ou máquinas automáticas. Além disso, com menos saídas muitos utilizadores teriam de andar mais 20 km para chegar ao seu destino, tendo de percorrer estradas muito congestionadas.

 

5 - Pergunta: Os chips são a solução mais simples, económica, prática?

Resp.: Sim!

Justificação: Os automóveis passam à velocidade normal, sem estrangulamentos.

 

6 - Pergunta: Há perda de privacidade? O governo vai no banco de trás dos nossos carros?

Resp.: Sim, mas isto já acontece actualmente!

Justificação: Os telemóveis, os cartões de pagamento, a própria matrícula do automóvel já quebraram há muito tempo a privacidade.

 

7 - Pergunta: Faz sentido desconto para os residentes (descriminação positiva)?

Resp.: Sim.

Justificação: Isto para não sobrecarregar exageradamente quem precisa de usar frequentemente.

 

8 - Pergunta: Qual o método mais fácil tecnicamente e menos burocracia de fazer desconto?

Resp.: O método de desconto a partir de um certo número de passagens.

Justificação: Neste método não é necessário conferir moradas nem definir zonas de desconto.

 

9 - Pergunta: Qual o método de desconto menos sujeito a fraudes?

Resp.: Desconto de quantidade!

Justificação: Neste método o computador reduz o preço automaticamente, por exemplo, a partir de 10 passagens repetidas de um mesmo percurso.

 

10 - Pergunta: Os estrangeiros que visitam Portugal como vão pagar?

Resp.: Os automóveis estrangeiros não deviam pagar! Só pagam os veículos pesados comerciais!

Justificação: Era uma forma de estimular a vinda de mais turistas estrangeiros a Portugal. Eles injectam dinheiro na nossa economia nos restaurantes, hotéis, etc., portanto pagam doutra forma útil.

 

Alguns ignorantes ainda dizem que as decisões sobre as Scuts não se baseiam em estudos cuidadosos. Para quem quiser saber detalhes dos estudos realizados vejam em:

www.moptc.pt/tempfiles/20061023181206moptc.pdf

 

Conclusão

Como nunca teria havido dinheiro para construir uma auto-estrada, os que agora se queixam das alternativas não serem eficazes, teriam andado todos estes anos e continuariam a andar por elas. É a vida, não há almoços grátis.



publicado por eu-calipto às 19:26

link do post | comentar | ver comentários (4) | favorito
Sexta-feira, 25 de Junho de 2010

Tudo virou bosta - Rita Lee

O ovo frito o caviar e o cozido

A buchada e o cabrito

O cinzento e o colorido

A ditadura e o oprimido

O prometido e o não cumprido

E o programa do partido,

Tudo vira bosta

O vinho branco, a cachaça

O chopp escuro

O heroi e o dedo duro

O grafite lá no muro

Seu cartão e seu seguro

Quem cobrou ou pagou juro

Meu passado e meu futuro,

Tudo vira bosta

 

Em Portugal:

Governo e oposição

Candidatos e Presidente

Jornalistas de televisão

Futuro e presente

Pagamento nas scuts

Portagens com os chips

Tudo vira bosta,

Ferreira Leite e Pacheco

Moura Guedes e Crespo

Sócrates e Cavaco

Tudo virou bosta

 

Já agora divirtam-se com a música original em:


publicado por eu-calipto às 22:34

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 18 de Junho de 2010

... àqueles que se vão da lei da morte libertando.

 

 

 

 

 

 

 

 

Todos sabemos que cada dia que nasce é o primeiro para uns e será o último para outros e que, para a maioria, é só um dia mais.

 

José Saramago

 

 

 

publicado por eu-calipto às 23:02

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 17 de Junho de 2010

Armando Vara e Eduado Moniz

Hoje à hora de almoço tinha o jornal Carreio da Manhã numa mesa e dei uma leitura.
Nem queria acreditar.
Depois de tudo o que se passou com a TVI e Armando Vara, a última coisa que eu esperava é que Eduardo Moniz e Vara se conhecessem pessoalmente e falassem ao telefone. Tudo confirmado por Moniz e gravado em escutas a Vara.
Moniz ligou a Vara para falarem sobre a candidatura de Moniz à presidência do Benfica. Queria saber se tinha apoio financeiro do BCP.
Agora sou eu a inventar: Será que se Vara tivesse prometido alguma coisa a Moniz este e a sua senhora falariam tão mal de Sócrates, do Partido Socialista e do próprio Vara?
Uma nojeira! E agora Manela ? O que é que o seu maridinho queria?


publicado por eu-calipto às 19:17

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 10 de Junho de 2010

Porque é que são sempre os mesmos a pagar a crise?

Os políticos e sindicalistas de esquerda radical enchem as ruas com manifestações monumentais, dizendo que têm de ser os ricos a pagar a crise. Também os habituais palpiteiros das televisões começam as suas pregações com a frase “É muito simples, basta …, blá, blá, blá, …”.

Então se é tão simples, e os governos são por natureza preguiçosos, porque é que não adoptam as soluções simples e eficazes dos treinadores de bancada?

Resposta:

Porque mesmo os ministros das finanças mais burros sabem fazer algumas contas.

Como podem ver, a explicação está nos grandes números. Os políticos e as profissões liberais podem ganhar muito mais do que os trabalhadores, mas acontece que o número de trabalhadores é muitíssimo maior.

Não consegui saber os números exactos de todas as parcelas, mas para o raciocínio que pretendo desenvolver um erro mesmo de 30% não altera muito as conclusões.


Exemplo de

ordenados

nº de pessoas
Prof. Liberais 5.000,00 € 5.000          ?
Deputados 3.708,00 € 230             v
Políticos 3.500,00 € 10.000        ?
Funcionários públicos 1.200,00 € 708.000      v
Trabalhadores privados 1.000,00 € 3.500.000   ?

 

Conclusão

Por enquanto a redução de ordenados dos políticos é uma brincadeira.

Quando as coisas piorarem vão a seguir os funcionários públicos.

Para o fim ficam os milhões de trabalhadores.

O problema é que os trabalhadores privados estão já nos limites mínimos de sobrevivência, à beira de pobreza.

O mais fácil é mesmo “atacar” os funcionários públicos, que constituem a maioria da classe média citadina que não consegue fugir aos impostos. Para os palpiteiros das televisões e os economistas de pacotilha é mesmo o alvo mais fácil e suculento.

Preparem-se colegas.

publicado por eu-calipto às 22:34

link do post | comentar | favorito
Sábado, 5 de Junho de 2010

As culpas de Sócrates

A convite do Presidente do Instituto Superior de Economia e Gestão - Prof. Dr. João Duque, também distinto convidado de Mário Crespo.

Pergunte-se a Mário Crespo o que acha disto!
Duvidam? Leiam texto original em:
http://dre.pt/pdf2sdip/2010/06/107000000/3057630576.pdf

Isto pode significar várias coisas:

1-      Catroga é extremamente generoso e dá aulas sem nada ganhar ;

2-      Catroga não faz nada e recebe uma remuneração (0% de trabalho);

3-      Catroga recebe noutros benefícios, mas não tem de pagar impostos;

4-      Ou é para esconder algum trabalho já efectuado.

 

Porque razão esta nomeação vem com retroactividade a 2008?

Andou este tempo a colaborar ilegalmente (2008 a 2010)?

Que isto dá mau aspecto lá isso dá!

Ai se fosse Sócrates, caía o Carmo e a Trindade.

publicado por eu-calipto às 17:37

link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 4 de Junho de 2010

Acabem com os tribunais

O Sol insiste todas as semanas com o caso Face Oculta.

Se não for só para fazer jornalismo de sarjeta ou salvar-se da falência, até poderá pensar-se que é por autêntico valor patriótico e a bem da moralização e da verdade.

 

Os tribunais, que são pagos para fazer justiça, parece que nada fazem, ou pelo menos nada nos dizem há muito tempo, sobre este caso e outros

O Jornal Sol, além de ter acesso a todos os documentos confidenciais dos processos, tem belos juízes que todas as semanas ditam as suas sentenças.

Portanto, só há uma conclusão a tirar: Acabem com os tribunais e substituam a justiça pelo jornal Sol.

Sai mais barato e são mais rápidos a tomar as decisões.

publicado por eu-calipto às 23:36

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 3 de Junho de 2010

O que é que os portugueses andam a fazer?

Ir ao emprego para nada?

 

Todos os dias as entradas das grandes cidades se enchem de automóveis, assim como as estações dos comboios e as paragens dos autocarros. Os únicos transportes que se vêm todas as manhãs com pouco que fazer são os táxis – longas filas de carros parados nas praças.

Portanto as pessoas vão para qualquer lado fazer alguma coisa – supostamente trabalhar.

Mas quem trabalha tem de produzir alguma coisa. E se alguma coisa se produz tem de aparecer produto, quer sejam calças ou sapatos, quer sejam automóveis ou computadores, isto nas cidades e seus arredores. Mas na verdade os transportes que se vêem ao longo do dia cruzar as cidades são os caminhões do Continente e do Pingo Doce, além de muitas camionetas de carga de areia e entulho das obras.

Então se os portugueses das cidades vão para os trabalhos e não fazem “produto” visível, então o que fazem? Passam os dias a escrever em computadores importados, a fazerem pesquisas de internet em software comprado, a verem os e-mails dos colegas e dos amigos e os filmes do YouTube, a consultar a previsão do tempo que fará nos dias seguintes, etc.. Os professores, os juízes e os médicos, assim como as profissões liberais vão atendendo os seus clientes nos seus escritórios, e os bancos e seguradoras vão fazendo os seus negócios, mas continua a não haver criação de riqueza que se possa vender a alguém, para pagar os automóveis onde nos deslocamos ou os computadores onde escrevemos e lemos as mensagens dos nossos colegas e amigos.

Tirando a actividade de atendimento turístico – restaurantes e hotéis pouco mais parece fazer-se. Nem pregos, nem camisas, nada se faz que valha dinheiro.

Então e fora das cidades? Bom nos campos pouca agricultura se faz, assim como quase desapareceu a produção de leite, a pesca, as produção de milho e batatas. Os nossos campos servem para plantar árvores para fazer papel e rolhas de cortiça, alguma fruta e muito vinho, mas fica mais ou menos por aqui. Os recursos mineiros e petróleo não existem.

Ainda estão admirados porque devemos dinheiro ao estrangeiro? Eu já não estou.

Mas então, se não conseguimos ou não temos dinheiro para comprar o que nos habituámos a consumir, então temos de viver com o que temos. Vamos passar a ter de nos contentar com usar a roupa mais tempo, a comprar sapatos fabricados em Portugal mesmo que mais feios e pior qualidade, a escolher no supermercado a fruta e hortaliças portuguesas e deixar de comprar salmão para em vez disto comer frango de aviário, etc. Só assim chegaremos a um novo equilíbrio.

Quanto às cidades, para muitos de nós seria mais rentável deixar de ir ao trabalho, não consumindo gasolina cada vez mais cara, assim como os bilhetes dos transportes, não estragaríamos os nossos velhos carrinhos, e deixaríamos de gastar electricidade, papel e tinta de impressoras nos serviços. Em vez de casa novas com móveis do Ikea, devíamos era restaurar as muitas casas mais antigas que estão vazias nas grandes cidades. Além do principal, que era evitar o stress diário e deixar de pedir empréstimos aos bancos.

Nós iríamos ao encontro do nosso equilíbrio e sustentabilidade e talvez fossemos mais felizes. Em vez das mensagens de computador conversaríamos mais com os vizinhos.

Mas os nossos severos críticos nacionais e estrangeiros ficariam contentes por nos tornarmos no Portugal dos pequeninos? Os políticos dos vários partidos não certamente. Quanto aos estrangeiros também não. Nem os holandeses que nos vendem as batatas e o leite, nem os alemães e os franceses que nos vendem os automóveis, submarinos e comboios, nem os coreanos e chineses que nos vendem os computadores e os televisores, ou até os árabes que nos vendem o petróleo, ou ainda os bancos suíços e americanos que nos emprestam o dinheiro que eles próprios roubaram aos ditadores dos países pobres ou receberam dos barões da droga e dos negócios ilegais.

Conclusão

Estamos onde estamos por nossa culpa, mas também porque os nossos parceiros internacionais também querem que isto aconteça. O mal de uns é o bem de outros. A riqueza mundial é constante, o que acontece é que está permanentemente a mudar de mãos. Isto é na realidade um Mundo-cão. É importante rosnar alto e ter dentes afiados para sobreviver com pouco esforço. São poucos os cidadãos do Mundo que são verdadeiramente generosos e sinceros.

Viver dos rendimentos.

publicado por eu-calipto às 01:02

link do post | comentar | favorito

pesquisar

 

Agosto 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Fogos florestais - comuni...

Fogos - Opinião de outros...

Gente séria é outra coisa

Justiça a reboque da comu...

República dos juizes

Moção de "auto-censura" p...

Rei Ghob

Confirmação da injustiça ...

Os intocáveis

Roubados e ainda temos de...

Não sejam mal agradecidos...

Rir é o melhor remédio, s...

Miguelito Relvado - O Ban...

Carlos Alex. Quem é ele? ...

Aeroporto no Montijo - er...

Mário Soares - o bochecha...

Bom Ano Novo

Atentados. Pode haver ou ...

Prisão, prisão, presão, p...

Justiça inútil ou "injust...

arquivos

Agosto 2018

Maio 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

favorito

Venha o diabo e escolha.

links recomendados

Tempo

blogs SAPO