Domingo, 31 de Janeiro de 2016

Dinamarca - Esclarecimento

 sapo-pt_2016_01_31_mais-de-10-000-criancas-migrant

 Relativamente ao post anterior muitíssimos comentários a apoiar o extremismo da Dinamarca, com muitos insultos à mistura, falta de bom senso e défice de informação.

Como comecei a dizer, a Dinamarca ou outro país devem ter pleno direito a aceitarem ou não aceitarem receber cidadãos estrangeiros no seu país.

O problema que levantei é não responder a uma situação anómala e errada (comportamento de alguns imigrantes) com um erro de civilização (extremismo de um país civilizado – Dinamarca).

A solução dinamarquesa de tirar bens aos imigrantes para “a sua reintegração” na verdade não resolve nada. Não serão alguns dólares que se conseguem transportar numa mochila que salvam os prejuízos dos dinamarqueses. Parece uma medida simplista, para inglês ver, própria de quem não quer ou não sabe resolver o problema de uma forma exemplar e inteligente e opta por uma solução populista e controversa.

Seria mais apropriado, exemplar, civilizado e persuasivo fazer assinar um compromisso que respeitam e aceitam a cultura dinamarquesa e que pretendem integra-se plenamente na sociedade dinamarquesa, com a intenção de se tornarem cidadãos dinamarqueses iguais aos outros. Proibição de tapar a cara com as burcas, respeitarem os direitos das mulheres, etc.

A contrapartida ao acolhimento devia ser a aceitação das regras do país. Seria uma forma de os imigrantes compensarem a boa vontade dos países que os recebem. A escolha seria dos próprios imigrantes.

Foi assim que os portugueses se integraram nos Estados Unidos, Canadá, França e até como os africanos se têm integrado nas sociedades francesa, inglesa, portuguesa, americana, etc.

Quem quer quer, quem não quer vá para outro lugar.

tags:
publicado por eu-calipto às 18:17

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 27 de Janeiro de 2016

Dinamarca borra a pintura

reino da Dinamarca_Jan16.jpg

O governo radical de direita da Dinamarca aprovou esta semana uma lei que permite confiscar os bens dos imigrantes que entram no país.

Se por um lado se compreendem as preocupações dos cidadãos europeus ao serem quase “invadidos” por turbas de muçulmanos refugiados do médio oriente, também é um pouco estranho uma medida digna das piores ditaduras.

Deixa-se uma pessoa entrar no país e logo depois manda-se abrir as malas e tira-se o que se quiser dos poucos bens que conseguiram transportar numa mochila. Olha-se para as mãos e para o pescoço e se têm um anel ou um colar de ouro tira-se para pagar as despesas de acolhimento.

Isto não é  um país de acolhimento civilizado mas sim uma casa de penhores.

Mais grave é isto ser feito por uma das nações consideradas mais civilizadas do Mundo.

Perde-se a razão completamente quando uma pessoa supostamente civilizada se comporta como um imbecil bárbaro. Quem tem de dar o exemplo é o mais educado. Só assim se mantém a superioridade moral.

Mais fácil e honesto era proibir a entrada no país e ponto final.

Imaginem um português entrar no Egipto em férias e um árabe abrir a carteira e tirar todo o dinheiro? O que diríamos?

Nem no Burkina Faso consta que isto tenha acontecido.

A cereja em cima do bolo

Desde que o índice foi criado, em 1995, a Dinamarca lidera ranking de países menos corruptos do Mundo.

Não têm corrupção mas de uma certa cleptomania também ninguém lhes tira uma elevada classificação.

publicado por eu-calipto às 22:34

link do post | comentar | ver comentários (20) | favorito

Óh mãe, perdi as eleições

mae perdi as eleicoes.JPG

 

tags:
publicado por eu-calipto às 22:32

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 7 de Janeiro de 2016

Manipulação jornalistica no seu melhor

Um pasquim encontra sempre uma maneira manhosa de dar uma notícia.
A imaginação do jornalismo de sarjeta, desonesto e ranhoso, não tem limites.
Einstein dizia: "Existem apenas duas coisas infinitas - o Universo e a estupidez humana. E não tenho tanta certeza quanto ao Universo".

O exemplo mais recente:

pasquim CM-7Jan16.jpg

Para quem tiver um pouco mais de tempo e paciência para me aturar eu explico melhor o que se passa.

Há um certo jornalismo que em vez de dar as notícias opta pela estratégia de fazer intriga política, devassar a vida íntima das pessoas mais conhecidas, fazer investigação policial, entrar em guerras e polémicas pessoais. Isto é também uma forma de ganhar audiências e vender jornais. Para completar a cereja em cima do bolo, colocam umas fotos de umas raparigas quase nuas e umas notícias de crimes horrendos contados com todos os detalhes.

Em Portugal nenhum jornal ou órgão de comunicação social desempenha melhor este papel do que o CM - Correio Manhoso.

O pior e mais preocupante, é que há todos os sinais que este pasquim recebe informações de alguns elementos do sistema de justiça.

É todos os dias. Uma vez é Sócrates (de umas das vezes durante mais de 40 dias seguidos), depois foi por algum tempo Miguel Macedo, agora é Pinto da Costa.

Quando a justiça decide de forma contrária ou menos simpática para as preferências do Correio Manhoso, este serve-se do meio de comunicação para deturpar as opiniões e decisões dos outros.

Veja-se o exemplo do título que inicia este artigo. Um processo contra Rui Rangel foi arquivado, portanto aproveita-se para levantar a suspeita que foi jogo de secretaria. Tem sido sempre assim. Alguém que seja contrário à “pasquinice” aparece logo na capa do dia seguinte com qualquer insinuação caluniosa. Se alguém protesta, vem o grito de socorro:

"-Aqui-d’el-rei" que querem amordaçar a informação independente".

Um nojo!

publicado por eu-calipto às 09:40

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 4 de Janeiro de 2016

É a primeira vez que cá venho desde a última em que cá estive

As boas opiniões dos outrosrealidae nua e crua.jpg

publicado por eu-calipto às 15:03

link do post | comentar | favorito

pesquisar

 

Maio 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Gente séria é outra coisa

Justiça a reboque da comu...

República dos juizes

Moção de "auto-censura" p...

Rei Ghob

Confirmação da injustiça ...

Os intocáveis

Roubados e ainda temos de...

Não sejam mal agradecidos...

Rir é o melhor remédio, s...

Miguelito Relvado - O Ban...

Carlos Alex. Quem é ele? ...

Aeroporto no Montijo - er...

Mário Soares - o bochecha...

Bom Ano Novo

Atentados. Pode haver ou ...

Prisão, prisão, presão, p...

Justiça inútil ou "injust...

Polémica - Nova investiga...

Antoniodominguesmania - o...

arquivos

Maio 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

favorito

Venha o diabo e escolha.

links recomendados

Tempo

blogs SAPO