Quinta-feira, 16 de Agosto de 2018

Fogos florestais - comunicação social

Estamos sempre a falar da incompetência do governo, da falta de meios dos bombeiros, das falhas do Siresp, dos incendiários, etc, etc, etc.

Ninguém fala da imbecilidade, inutilidade, nulidade dos jornalistas e comentadores de bancada no que diz respeito a fogos florestais.

Mais importante do que mostrar uma garagem que ardeu, uma senhora a gritar a dizer que não quer sair de casa, um automóvel queimado, e outras desgraças sem fim, horas e horas seguidas, seria muito mais importante, útil e eficaz, mostrar as casas que não arderam ou arderam pouco, as fronteiras naturais do fogo, e tentar encontrar explicação para isto.

Um estudo pós incêndio permitiria:

     a) Saber se a limpeza de 50 metros foi ou não útil.

     b) Saber se as árvores de espécies tradicionais (autóctones) resistiram melhor ao fogo do que os eucaliptos e os pinheiros.

     c) Saber se o fogo parou por ação dos bombeiros ou porque não havia mais nada para arder.

     d) Saber se a água despejada pelos aviões ajudou a travar alguma frente de fogo, ou se apenas atrasou o fogo 5 minutos mas no final ardeu tudo.

Conclusão

Se ardeu tudo, depois de tanto "espetáculo" e desperdício de meios, da próxima vez tirem as pessoas em risco e deixem arder sem gastar dinheiro em aviões, não cansar os bombeiros (a não ser em casos muito pontuais para salvar vidas).

Usar este dinheiro poupado para ajudar os proprietários a plantar espécies menos rentáveis e de crescimento mais lento como os sobreiros, os medronheiros, os carvalhos, e outras, para além de definir zonas para pastagem de cabras e ovelhas, melhorar estradas, etc.

 Era melhor para todos!

A comunicação social podia ajudar, e muito!

Em vez disso trabalham apenas para garantir grandes audiências.

Nota final

A experiência tem mostrado que qualquer floresta que tenha ardido há mais de 15 anos está prontinha para arder de novo.

Se não for este ano será para o próximo ou para depois do próximo, cada vez com maior probabilidade.

 As que estão agora à vez são:

- Serra de Sintra

- Serra da Arrábida em Setúbal

- Parque de Monsanto em Lisboa

- Serra do Buçaco

- outras ...

Incendio serra de Monchique_4-9 agoto 2018.jpg

 

publicado por eu-calipto às 19:20

link do post | comentar | favorito

Fogos - Opinião de outros com a qual concordo

Opinião

João Branco *

Paisagem australiana no Sul da Europa

"Temos duas espécies com carácter invasor que influenciam o ordenamento do território, o risco de incêndio e a perda de biodiversidade.

Jornal Público, 14 de Agosto de 2018

Um dos problemas da chamada “floresta portuguesa” reside sem qualquer dúvida no excesso de eucaliptos (Eucalyptus globulus) em algumas regiões do país.

Esta espécie exótica, proveniente da Austrália, teve o seu período de expansão na segunda metade do século XX e século XXI. De um modo geral, o eucalipto acabou por dominar a vegetação e a paisagem das regiões de maior influência atlântica, principalmente no Norte e Centro, mas também em algumas regiões do Sul do país que, aliás, se encontram agora a arder. A expansão do eucalipto começou por ação dos proprietários privados e empresas de celulose com plantações ordenadas mas massivas, mas acabou por ficar descontrolada e, hoje, o eucalipto nasce sem qualquer intervenção humana, pela germinação das sementes transportadas pelo vento.

A ocorrência de milhares de incêndios nas últimas décadas favoreceu o aumento dos eucaliptais, pois, depois do fogo, germinam e rebentam plantas em muitos locais, dominando o coberto vegetal devido ao seu rápido crescimento. Assim, Portugal assiste ao crescimento de áreas de eucaliptal que marcam a paisagem, retirando espaço às plantas autóctones como o pinheiro, o sobreiro e outras que desaparecem. Cada fogo que ocorre em zonas já dominadas pela espécie acaba por acentuar a dominância da mesma.

Não há dados atuais, mas é mais ou menos consensual que o eucalipto ocupará cerca de um milhão de hectares em Portugal, com tendência para aumentar devido ao agressivo carácter invasor da espécie. O atual Governo, justiça lhe seja feita, foi o primeiro a reconhecer a existência de um problema e aprovou legislação para tentar travar o aumento da área ocupada pelo eucalipto. A indústria da celulose fez uma enorme pressão para que a referida legislação não fosse aprovada, recorrendo à chantagem, com ameaças de deslocalização da indústria para outros países. Felizmente, o Governo não cedeu e a legislação (que ficou conhecida como “anti-eucalipto”) está já em vigor.

 As áreas com grande presença de eucalipto têm sido fustigadas por fogos selvagens. Há dezenas de milhares de hectares de área ardida, dado este ter a particularidade de ser prolífero nas chamadas “projeções”, ou seja, no lançamento pelo ar de material incandescente ou a arder que vai cair a distâncias que podem ser superiores a dois quilómetros, desencadeando imediatamente novos incêndios nas imediações, o que na prática se traduz por fogos que se tornam incontroláveis devido ao número de ignições dispersas.

O material incandescente ou a arder que é transportado pelo ar é composto principalmente por folhas e casca, uma vez que esta espécie particular de eucalipto existente em Portugal tem uma casca que se destaca do tronco naturalmente, e que existe em grande quantidade, o que torna as “projeções” muito prováveis de acontecer. Podemos citar os exemplos recentes dos incêndios de Águeda, Pedrógão, Oliveira do Hospital e Monchique para exemplificar o descrito.

Outro problema grave está relacionado com as chamadas “espécies lenhosas invasoras”, das quais destaco a árvore conhecida por “mimosa” ou “acácia mimosa” (Acacia dealbata). Esta espécie, também de origem australiana, começou por ser semeada em Portugal por causa da beleza da sua floração e para fixação de taludes. Rapidamente se alastrou por todo o país, criando situações muito graves ao nível da conservação da biodiversidade e do risco de incêndio, sendo o caso mais conhecido o do Parque Nacional da Peneda-Gerês, que tem já alguns milhares de hectares ocupados por esta espécie exótica invasora, o que é perfeitamente visível na zona envolvente da vila do Gerês. O caso da mimosa é preocupante pois nem sequer há dados oficiais sobre a área ocupada pela espécie, mas a Quercus estima que poderá atingir os 60 mil hectares. A mimosa, embora ocupe uma área muito inferior à do eucalipto, tem um comportamento invasor muito mais agressivo, e forma extensos matorrais literalmente impenetráveis que são ao mesmo tempo barreiras intransponíveis para os meios de combate e pasto fértil para as chamas.

Temos, pois, duas espécies com carácter invasor que influenciam o ordenamento do território, o risco de incêndio e a perda de biodiversidade. Estas espécies têm de ser mantidas sob vigilância e têm de ser desenvolvidas políticas para promover a sua substituição por espécies autóctones como o carvalho, o sobreiro ou o pinheiro manso, pelo menos em alguns locais. A tarefa não é fácil e exige vontade política acompanhada de dotação orçamental. Vamos ver qual a resposta ao problema que vai ser dada por este e pelos futuros governos."

*  Presidente da Direcção Nacional da Quercus – Associação Nacional de Conservação da Natureza

publicado por eu-calipto às 19:16

link do post | comentar | favorito

pesquisar

 

Outubro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Deus nos livre ...

Fogos florestais - comuni...

Fogos - Opinião de outros...

Gente séria é outra coisa

Justiça a reboque da comu...

República dos juizes

Moção de "auto-censura" p...

Rei Ghob

Confirmação da injustiça ...

Os intocáveis

Roubados e ainda temos de...

Não sejam mal agradecidos...

Rir é o melhor remédio, s...

Miguelito Relvado - O Ban...

Carlos Alex. Quem é ele? ...

Aeroporto no Montijo - er...

Mário Soares - o bochecha...

Bom Ano Novo

Atentados. Pode haver ou ...

Prisão, prisão, presão, p...

arquivos

Outubro 2018

Agosto 2018

Maio 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

favorito

Venha o diabo e escolha.

links recomendados

Tempo

blogs SAPO