Terça-feira, 30 de Janeiro de 2007

Para quem tiver paciência para ler textos longos.

Como progredir na carreira científica em Portugal

 

Segundo estatísticas recentes Portugal é um dos países Europeus onde menos se investe em investigação científica. Quando falamos destes números referimo-nos ao investimento financeiro em laboratórios, em caros equipamentos e em número de investigadores. Se isto é verdade, poderemos explicar um certo atraso em médias globais, mas não impede que neste ou naquele domínio não possamos fazer algo de inovador, com valor científico, com interesse para a evolução do conhecimento e da sociedade. Se as leis infalíveis das estatística e das probabilidades também funcionarem em Portugal, de vez em quando aparecerão indivíduos super dotados e com capacidade para fazer algo inovador e útil. Então é preciso criar mecanismos para identificar estes elementos,  dar-lhes as condições para desenvolverem as suas capacidades. Uma forma de descobrir quem são as pessoas mais capazes intelectualmente é criar mecanismos de avaliação eficazes.

Tudo começa nas escolas e nas universidades com os sistemas de classificações. Por vezes estes sistemas estão de tal modo errados que quem tem mais elevadas classificações não são os mais inteligentes, mas os que têm melhores condições exteriores, como melhores professores ou explicadores, ou simplesmente se adaptam melhor a um sistema errado de avaliação. Por exemplo, na avaliação do ensino, é muito mais fácil classificar os alunos pela sua memória do que por capacidade de assimilação do conhecimento, ou poder de inovação. Assim, pode começar logo mal a escolha dos futuros cientistas. Podem chegar à carreira académica das Universidades e dos Centros de Investigação indivíduos menos capazes do que seria necessário e desejável, tendo ficado pelo caminho, por falta de oportunidades, ou falta de estímulo, ou vencidos pelo sistema, outros elementos potencialmente com valor. Muitos dos professores e investigadores são bons a aprender e a reproduzir conhecimentos já explorados, mas demonstram dificuldade em partir para novas ideias e explorar outras leis da natureza. Nas universidades e nos centros de investigação, mais uma vez é necessário criar mecanismos de avaliação das actividades, que condicionem a progressão nas carreiras científicas. Nesta fase pode cometer-se o segundo erro fatal. Se os mecanismos de reconhecimento das capacidades individuais, do mérito e do trabalho não forem correctos, podem chegar às funções de chefia e cargos de decisão elementos menos úteis à sociedade e ao desenvolvimento das sociedades e do conhecimento científico. Diga-se que o pior que pode acontecer é ter nas posições cimeiras elementos incompetentes, ambiciosos, egoístas, com falta de carácter e intelectualmente desonestos. Se e quando isto acontece em grau mais ou menos elevado, inicia-se um ciclo vicioso de perpetuação da escolha de outros elementos semelhantes. A incompetência, ou por auto defesa, ou por incapacidade, tem tendência a proteger outra incompetência.

Um mecanismo lógico de avaliação seria o de dar condições para desenvolver trabalhos científicos, de desenvolvimento experimental, e avaliar a criação de equipas, contactos com o mundo exterior, nomeadamente as intervenções em sessões públicas, congressos, cursos, etc.. Como este processo é necessariamente longo e trabalhoso, existe a tentação de alguns por cortar caminho e ir directamente ao objectivo final – fazer apenas currículo. Neste caso, publica-se e divulga-se conhecimento repetitivamente e de baixa qualidade, sem fundamentação científica experimental e em muitos casos sem utilidade prática nem baseada na evolução de conhecimentos teóricos. O único objectivo é o número.

Infelizmente para Portugal, estes factos são uma parte muito representativa da realidade. Um dos exemplos é o chamado “paperismo”, para designar a procura cientificamente inconsequente de publicar “papers”, com a única intenção de engrossar as listas dos currículos. Quem diz “paperismo” pode também dizer “patentismo”, para aqueles que produzem patentes sem qualquer utilidade prática ou interesse científico, apenas por autoconvencimento dos seus autores, ou pior, com má intenção, de acrescentar mais uns pontos ao seu currículo. Felizmente ainda há muita gente séria que faz os seus trabalhos com bases sólidas e de forma generosa. Nada seria mais injusto do que confundir as pessoas de valor e generosas com oportunistas ambiciosos. Os sistemas devem criar mecanismos sensíveis aos dois tipos de atitude. Deve identificar-se e separar-se o que é diferente.

A ciência não pode ser amoral, como não pode ser estéril no sentido de nada contribuir para o desenvolvimento da sociedade. Como as leis da física e da termodinâmica ensinam, todos os sistemas, ou estão em equilíbrio e assim permanecem, ou tendem para um equilíbrio que será atingido mais tarde ou mais cedo. Também na sociedade e na ciência nenhuma situação artificial e não sustentável se aguenta eternamente. Como diz o povo, pode enganar-se uma pessoa todo o tempo, algumas pessoas durante algum tempo, mas não se consegue enganar toda a gente durante todo o tempo.

Mauzinho

 

publicado por Eu mesmo às 21:36

link do post | comentar | favorito

pesquisar

 

Novembro 2023

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

posts recentes

Má Influencer

Capa manipuladora da opin...

Matemática de jornalistas

Jornalismo cada vez mais ...

Golpe de Trump - Estava-s...

Corona TVs

Devia ser Ana (des)Leal

Sandra Felgueira - a conf...

Isabel dos Santos vs Jorn...

Nos melhores panos caem f...

Salário dos motoristas de...

Querem lá ver que quem co...

Pedro Pardal Henriques & ...

Greve dos camionistas de ...

O homenzinho que nunca se...

Enfermeiros cirúrgicos – ...

Vira o disco e toca a mes...

Actual Comunicação Social...

Os sabe-tudo ...

Só o Armando Vara e o Sóc...

arquivos

Novembro 2023

Janeiro 2021

Outubro 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Novembro 2019

Agosto 2019

Abril 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Agosto 2018

Maio 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

links recomendados

blogs SAPO