Domingo, 1 de Julho de 2012

Ser jornalista

A propósito do que já tinha dito antes sobre a medalha de prata no salto em comprimento atribuído a Patrícia Mamona pelo salto em comprimento de 14 centímetros, já só os inocentes acreditam nos números dos jornalistas.

Ouvi uma vez que a distância da Terra à Lua era de 30 000 km, quando na verdade são entre 350 000 e os 400 000 km. É só a diferença de um zero, mas não é a mesma coisa. Um automóvel com 300 000 km não é o mesmo quando tinha 30 000 km. Um pouco de cultura e atenção permitem não cometer estes erros básicos, tal como tão frequente confundirem quilómetros com milhas, libras com quilogramas, graus Célsius com graus Fahrenheit, etc., entre outros erros tão ou mais ridículos.

Quanto ao exemplo da distância planetária há registos desde o tempo da civilização Grega (dizem que pode ter sido antes - dos Egípcios) em que já se sabia que o diâmetro da Terra andava à volta de 12 000 km. Há mais de 2000 anos já se podia chegar à ideia que a distância da Terra à Lua não poderia estar na casa das dezenas de milhar de quilómetros, mas nunca menos das centenas de milhar. Se fossem os 30 000 km, que o locutor de televisão que eu ouvi, referiu, seriam duas vezes e meia o diâmetro da Terra, ou seja, a Lua estava praticamente em cima das nossas cabeças. Na verdade, e felizmente para nós humanos e todos os bichos das florestas e dos oceanos, a distância da Terra à Lua anda à volta de 30 vezes o diâmetro da Terra.

Os jornalistas não têm de ser técnicos, não têm de ser juízes, não têm de ser economistas, nem têm de ser médicos ou engenheiros. O que se exige dos jornalistas é terem a melhor cultura geral possível, terem bom senso, estudarem os assuntos, informarem-se junto de quem sabe mais.

O exemplo dos números é uma forma de confirmar, com uma evidência confirmável por todos, o que vou dizer a seguir. Se a responsabilidade de alguns jornalistas, ou falta dela, é tão fraca para números, o que se dirá quando falam de assuntos complexos como os números da economia global, dos complexos casos da justiça, da avaliação dos políticos, etc., adivinha-se que será um desastre. Pouco se pode acreditar no que noticiam certos jornais e no que divulgam certos jornalistas.

Dizer umas larachas, contar umas histórias, entrevistar uns Marcelos e outras pequenas banalidades está ao alcance de muitos, mas isto não é ser jornalista.

Infelizmente para todos, o mau jornalismo parece estar a expulsar o bom jornalismo, vejam-se as Manuelas Mouras Guedes, os Mários Crespos, as Felícias Cabritas, etc., que andam por aí a espalhar a sua ignorância e desinformação aos portugueses. O que mais me entristece é que parece que o “povo” gosta de ser mal informado. Quais são os jornais que têm maior saída? São os Correios da Manhã, os Sóis, etc. Qual é a televisão que tem mais audiência? É a TVI e os canais de telenovelas e de inutilidades.

Pelo que se vai vendo, não foi só Sócrates nem Salazar nem Cavaco Silva, nem os maus procuradores da justiça, que ajudaram a desgraçar este país. O povo gosta, portanto não há nada a fazer. Quem está mal muda-se diz o mesmo povo. Foi precisamente isto que foi acontecendo ao longo de séculos. Os portugueses mais inconformados foram para a Índia, para o Brasil, para África, para o Norte da Europa, para os Estados Unidos, ficando cá maioritariamente os velhos do Restelo, os bem instalados de boas famílias, servidos a troco de umas côdeas pelos mais desanimados.

E o presente? Agora os incompetentes tipo Passos Coelhos & Companhia Lda., sentem-se incomodados com a falta de soluções que têm a dar às novas gerações, então, para arranjarem lugar para si próprios e para seus filhinhos, dizem aos filhos dos outros, aos professores e aos licenciados bem preparados, para irem para fora, para emigrarem.

Conclusão

Era bom estes políticos dizerem para os maus jornalistas se irem também embora. Este era um bom serviço que faziam às novas gerações. A formação e a informação são a chave de ouro para um futuro melhor.

Ser bom jornalista não é para todos. O mau jornalismo dá menos trabalho, mais lucro, e além disto, facilita e serve a má política que depois retribui com bons empregos e outras simpatias.

Nota: Não há bons jornalistas? Não dou exemplos?

Dou sim! No programa da SIC - O Eixo do Mal, temos bons exemplos de jornalismo livre e inteligente, de pessoas que conseguem ter uma opinião crítica e independente, mesmo não escondendo as suas preferências e simpatias políticas (nem o barulho exagerado que por vezes fazem). É o caso de Clara Ferreira Alves, Daniel Oliveira e Pedro Marques Lopes. Também na Quadratura do Círculo temos bons opinadores, assim como a surpreendente Constança Cunha e Sá na TVI e mais uns poucos Ricardos Costas. Mas não deixam de ser umas ilhas no oceano. 

publicado por Eu mesmo às 14:52

link do post | comentar | favorito
1 comentário:
De fm a 26 de Julho de 2012 às 20:43
Já agora o diametro da Terra é de cerca 40.000Km e não 12.000.

Comentar post

pesquisar

 

Novembro 2023

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

posts recentes

Má Influencer

Capa manipuladora da opin...

Matemática de jornalistas

Jornalismo cada vez mais ...

Golpe de Trump - Estava-s...

Corona TVs

Devia ser Ana (des)Leal

Sandra Felgueira - a conf...

Isabel dos Santos vs Jorn...

Nos melhores panos caem f...

Salário dos motoristas de...

Querem lá ver que quem co...

Pedro Pardal Henriques & ...

Greve dos camionistas de ...

O homenzinho que nunca se...

Enfermeiros cirúrgicos – ...

Vira o disco e toca a mes...

Actual Comunicação Social...

Os sabe-tudo ...

Só o Armando Vara e o Sóc...

arquivos

Novembro 2023

Janeiro 2021

Outubro 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Novembro 2019

Agosto 2019

Abril 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Agosto 2018

Maio 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

links recomendados

blogs SAPO