Sábado, 24 de Novembro de 2012

Austeridade, austeridade e mais austeridade

Todas falam dela, mas ninguém sabe bem o que é, e como vamos sair dela.

Serve para quê? Serve a quem?

Não se sabe como, mas criou-se um ciclo vicioso em que os que ganham menos estão a pagar os “vícios” dos que ganharam muito e começaram a perder algum.

Uma explicação é a globalização. Os mercados liberalizados permitiram que os chineses vivessem um pouco melhor e os ocidentais tenham de viver bastante pior. Os produtores de energias fósseis ficam cada vez mais ricos, obscenamente ricos, quase sem saber como nem porquê. Sem nada fazerem para isso, o dinheiro nasce-lhes debaixo dos pés.

Mas se não é sustentável ganhar para ter um bom automóvel, tentando pagá-lo com batatas ou garrafas de vinho, também não será sustentável a médio e a longo prazo, viverem como “nababos” do dinheiro fácil do petróleo ou de salários para não morrer de fome.

Chegamos aqui ao síndroma do Titanic. Os da primeira classe vêm os outros passageiros da turística a afogar-se mas continuam a beber e a dançar, porque eles são superiores, estão benzinho e vão ficar a salvo.

Um dia os chineses não vão ter a quem vender as suas lâmpadas de leds, nem os seus parafusos de aço macio, assim como os árabes e os angolanos não terão a quem vender petróleo. O Mundo está em permanente mudança. Estão a despontar modos de produção de energia que farão do petróleo e dos painéis foto voltaicos uma tecnologia obsoleta. Saibam o que é a “bloom energia”.

Quanto à austeridade, vejam este vídeo.

Não dá a solução, mas explica como chegámos aqui.

Foi feito há dois anos, mas vejam como é atual.

 
publicado por Eu mesmo às 10:18

link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 21 de Janeiro de 2011

Quem ajuda quem?

Fiz uma estatística que não deve fugir muito à realidade.

Na minha pequena rua moram cerca de 50 famílias,  admitamos cerca de 120 pessoas.

Há quatro automóveis alemães de alta gama com menos de 4 anos.

Se isto for verdade para o país dará para 6 milhões de cidadãos em fase activa da vida, cerca de 1 automóvel de alta gama de marca alemã para cada 120 pessoas, dá 50 000 automóveis quase novos.

Como uma automóvel de boa marca alemã não custa menos do que 40 000 Euros, temos um valor total investido de 2 mil milhões de contos.

Tirando impostos (35%) do valor de compra e dividindo por quatro anos dá 325 milhões de Euros por ano a favor da indústria alemã.

Quem disse que a Alemanha é que está a ajudar Portugal?

Nós também não estamos a ajudar a Alemanha?

Não contei com as peças que vendem custando uma fortuna, os submarinos, etc..

Não acreditam? Façam as contas.

Quando viajarem numa auto-estrada peçam a alguém que não vá a conduzir para contar cem dos automóveis que vos ultrapassam e destes quantos são de marca alemã BMW, Audi, Mercedes, Porche, VW de gama alta e idade recente. Vão ficar surpreendidos.

Bom, dirão, é porque os automóveis alemães são melhores do que os outros, duram mais. Mentira! Vejo muitos Audi, BMW e até Mercedes avariados à beira da estrada, mais do que nos automóveis Japoneses. Então porque toda a gente quer carros de luxo alemães? Não posso responder porque seria com uma asneira (cagança).

Relembro post sobre “Quem vai pagar a crise”.

http://eu-calipto.blogs.sapo.pt/37587.html

Uma coisa é certa. A realidade é muito mais complexa do que a análise simplista dos comentadores de televisão e das capas dos jornais.

publicado por Eu mesmo às 20:09

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 19 de Janeiro de 2011

Habilidade alemã

Os alemães acham que estão a pagar o pão que os Europeus do Sul comem todos os dias.

Ou seja, não querem desvalorizar o Euro nem reforçar os empréstimos a juro mais barato para os países mais pobres. É legítimo que eles, que são mais organizados, inovadores e trabalhadores, vivam melhor do que os outros. Mas será que não ganham nada em pertencer à União Europeia?

Eles foram grandes contribuintes dos orçamentos da Comissão Europeia, mas também terão beneficiado com a mão-de-obra barata dos países mais pobres. A indústria alemã encheu a Europa de Mercedes, de Audis, de Porches, de BMW, Volkswagen, de comboios de alta velocidade, de centrais eléctricas e nucleares, etc.

Mesmo assim, algumas sondagens feitas na Alemanha revelaram que boa parte dos alemães se mostrou a favor da reintrodução do marco federal e saída do Euro.

A Srª Merkel teve muitas culpas na formação desta opinião generalizada no seu país, mas agora está a dizer o contrário.

http://sol.sapo.pt/inicio/Internacional/Interior.aspx?content_id=9545

Será que a Srª Merkel mudou de ideias e agora já gosta dos países mais atrasados?

Claro que não!

O que acontece é que ela e alguns economistas vêem um pouco mais longe do que o comum dos cidadãos.

Se a Alemanha deixasse o Euro, esta moeda desvalorizava instantaneamente ao mesmo tempo que o Marco se valorizava enormemente. O Marco ficaria tão forte que permitiria comprar petróleo e outros bens mais baratos, portanto, aumentavam as exportações dos outros países para a Alemanha.

O que também aconteceria era que aos artigos de luxo (automóveis caros) e maquinaria, material de guerra (submarinos e outras armas), comboios, etc., ficariam a preços incomportáveis para os que ficavam no Euro. Reduziam-se muito as exportações alemãs. Os tais Europeus mais pobres e com o Euro desvalorizado teriam de fazer pela vida e comprariam automóveis Coreanos e Chineses. Desenvolviam um pouco mais a agricultura e a indústria de média tecnologia.

Partiríamos para um novo equilíbrio em que passado algum tempo sobrevivíamos sem precisar da Alemanha.

Conclusão: a Alemanha perderia importância e poder na Europa. É isto que os mais espertos já estão a antever. Vão ficar no Euro claro, mas vão sufocar até ao limite os países do Sul, emprestando-lhes dinheiro a juro elevado, sob a ameaça de não terem confiança nesses países, acusando-os de trabalhar pouco, etc.

Deviam portanto ser os países do Sul a pedir para a Alemanha sair do Euro. Sofríamos um pouco ao princípio mas depois até seria melhor para nós.

Vejam o que escrevi no final do ano passado e sobretudo o artigo de Miguel de Sousa Tavares:

http://eu-calipto.blogs.sapo.pt/43579.html

http://eu-calipto.blogs.sapo.pt/43959.html

publicado por Eu mesmo às 23:30

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 3 de Janeiro de 2011

Frases célebres com utilidade

Para começar bem o Ano de 2011 pense nestas ideias:

  1. "A coisa mais importante da vida não é a situação em que estamos, mas a direcção na qual nos movemos." --Oliver Wendell Holmes
  2. "A ausência de alternativas torna as mentes duras espantosamente claras." -- Henry Kissinger
  3. "Ler sem pensar é uma ocupação inútil." – Confúcio
  4. "Todas as empresa precisam de gente que erra, que não tenha medo de errar, mas que aprenda com os erros." -- Bill Gates
  5. "A liberdade não morrerá enquanto os homens morrerem por ela." -- Charles Chaplin
  6. "Adapta-se ou desaparece: é o ditame inexorável da natureza, hoje como ontem." -- H. G. Wells
  7. "Ninguém comete erro maior do que não fazer nada porque só pode fazer pouco." -- Edmund Burke
  8. "Ser negativo com relação ao futuro significa não aproveitar a vida." -- Joey Ramone
  9. "Um homem que não lê bons livros não leva vantagem alguma sobre o homem que não sabe lê-los." -- Mark Twain
  10. "Nas grandes batalhas da vida, o primeiro passo para a vitória é o desejo de vencer!" – Gandhi
  11. "O único homem que não erra é aquele que nunca fez nada." – Roosevelt

Para terminar

 

12. "Não se torne insubstituível! Se não puderem substituí-lo, nunca será promovido." – Anónimo

13. “"O que não é bom para o enxame não é bom para nenhuma das abelhas. "– Anónimo

publicado por Eu mesmo às 00:49

link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 9 de Novembro de 2010

Face Oculta

CONSELHO SUPERIOR DA MAGISTRATURA


Estatuto dos Magistrados Judiciais

Lei n.º 21/85, de 30 de Julho


http://www.csm.org.pt/ficheiros/legislacao/emj_2009.pdf

 

 

Artigo 5.º

Irresponsabilidade

1 - Os magistrados judiciais não podem ser responsabilizados pelas suas decisões.

2 - Só nos casos especialmente previstos na lei os magistrados judiciais podem ser sujeitos, em razão do exercício das suas funções, a responsabilidade civil, criminal ou disciplinar.

3 - Fora dos casos em que a falta constitua crime, a responsabilidade civil apenas pode ser efectivada mediante acção de regresso do Estado contra o respectivo magistrado, com fundamento em dolo ou culpa grave.

 

Artigo 6.º

Inamovibilidade

Os magistrados judiciais são nomeados vitaliciamente, não podendo ser transferidos, suspensos, promovidos, aposentados, demitidos ou por qualquer forma mudados de situação senão nos casos previstos neste Estatuto.

_______________________________________________

Está aqui a razão de tudo o que acontece. Não é preciso ler mais.

Para quê darem-se ao trabalho de ler com cuidado os processos de investigação das polícias. Para quê gastarem os neurónios do bom senso?  Manda-se tudo a julgamento, durante anos e anos, e os arguidos que se desenrasquem.


Não pode haver profissão melhor. Deus na Terra - decidir a vida dos outros.

Sim, porque em Portugal ser acusado é ser condenado na praça pública.

 

Entretanto, nos tempos livres que sobram, alguns vão-se divertindo.

Até pode ser tudo mentira! Mandem os nomes. Não é isso que tem acontecido em muitos dos casos mediáticos? Enviar inocentes para a lama?

publicado por Eu mesmo às 00:29

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 21 de Outubro de 2010

Fintados pela "amiga" Europa?

Porque é que Portugal está numa situação financeira miserável?

Os alemães pensam e dizem que os europeus do Sul, nomeadamente os portugueses, estão mal porque são preguiçosos e não querem ou não sabem trabalhar.
Então eles gostariam que nós (os maus) fôssemos como eles (os bons).
Se nós fôssemos os alemães, fabricaríamos os automóveis Mercedes, os BMW, os Porches, os VW, maquinaria industrial diversa incluindo submarinos.

Façam lá este exercício mental. Os alemães ficariam realmente satisfeitos se nós fizéssemos concorrência aos produtos que eles conseguem vender em todo o Mundo? Resposta 100% certa: - Claro que não!

Então há um grande cinismo na política internacional.
Os países desenvolvidos não podem crer que os mais atrasados se tornem tão desenvolvidos e competitivos como eles. É uma evidência! Não fazem mais do que defender os seus próprios interesses.

Então o que é que eles querem?
O que eles querem é mão-de-obra barata. Querem alargar os seus mercados. Algumas das multinacionais têm fábricas em Portugal para produtos de pequenas séries que requerem mais mão-de-obra. Pedem benefícios fiscais, terrenos mais baratos, energia barata, subsídios disto e daquilo. É o caso da VW de Palmela, das cablagens eléctricas para automóveis em Braga, da Quimonda em Vila do Conde, etc.

Os portugueses é que foram anjinhos e pensaram que o dinheiro da Europa era mesmo para nos ajudar. Ao mesmo tempo que nos davam dinheiro e incentivavam a ter mais auto-estradas, vendiam-nos mais automóveis de alta gama, obrigavam a ter cotas para o leite, cotas para o vinho, abater a frota de pesca, fechar a siderurgia e parar a construção de carruagens de comboio (Sorefame – Amadora), etc.

A “bíblia” deles é muito fácil de perceber com um exemplo. Imaginem que um homem rico tem uma mercearia na mesma rua de outra mercearia de um proprietário pobre, mas que lhe tira 20% dos clientes. Tentar fechar a mercearia pequena através de concorrência leal é difícil ou incerto e pode demora tempo, pois o pobre também se vai modernizando e acompanhando o aumento de capacidade de oferta. Então o mais fácil, rápido e seguro, é o proprietário rico comprar a mercearia do mais pobre e passado algum tempo fechá-la dizendo que não é rentável. Quando for o único na rua pode vender a preços mais elevados sem preocupação dos clientes fugirem.

Foi isto que nos aconteceu nas pescas, na maquinaria industrial, na agricultura, na pecuária. O engodo mais antigo de sempre, desde que há comércio entre povos, funcionou na perfeição em Portugal. Por isto é que estamos na situação que estamos. Todos os governos desde a nossa entrada na EU foram sendo responsáveis por isto, Soares, Sá Carneiro, Cavaco, Guterres, Barroso e Sócrates, na proporção de tempo que estiveram no poder (Nota: o que esteve mais tempo foi Cavaco).

publicado por Eu mesmo às 23:30

link do post | comentar | favorito
Sábado, 16 de Outubro de 2010

Quem não vai pagar a crise

Evidência óbvia e provavelmente inútil e desnecessária.

A quem não vai custar nada pagar (ou mesmo não pagar?) a crise, são os donos dos carros novos de luxo que passam por nós todos os dias nas auto-estradas.

Cada vez vemos mais monovolumes de luxo, BMWs modelos mais caros, Porches, Peugeots monovolume, etc, até Ferraris, tudo carros de mais de 60 000 Euros, a gastar mais de 20 litros aos 100Km.

Lindos? Para mim não!

Não é por inveja, nem aliviar as minhas responsabilidades, pois desta vez fui fortemente atingido pela crise, mas reconheço que ainda vou aguentar e há pessoas em muito pior situação do que eu.

Acho uma provocação ou mesmo um atentado, a exibição de carros de luxo. Além do mais a postura destes condutores é (em geral) muito agressiva.

PERGUNTO: - Não há polícia neste país? Não há justiça? Ou ainda, não há vergonha?

Notícias da televisão (valem o que valem), diziam que em 2010 se venderam mais 4% de automóveis de luxo do que em 2009. Lamborguini e Jaguar dubplicaram o número de viaturas vendidas.

publicado por Eu mesmo às 19:40

link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 11 de Outubro de 2010

Explicação da crise

Não vale a pena eu tentar explicar a crise, simplesmente porque não sei explicar. Sinto que algo está mal e não acredito nas explicações dos políticos nem dos economistas que se enganaram já demasiadas vezes e têm imensos telhados de vidro.

 

O melhor é ver este vídeo com atenção e se necessário várias vezes. Quem não tem razão para se queixar da crise são os paraísos fiscais na Suíça, Luxemburgo, Gibraltar, Liechtenstein, e outros. Para as empresas e países que produzem material militar a crise também não existe. Veja-se o exemplo dos que fabricam submarinos, carros de combate e helicópteros.

 


 

publicado por Eu mesmo às 19:51

link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 8 de Outubro de 2010

Soluções para a crise

Todos os economistas nos conseguiram convencer de que Portugal tem de sofrer medidas de austeridade severas para equilibrar as contas. Mesmo quem pouco sabe de macro economia percebe que Portugal tem pedido dinheiro ao estrangeiro, a juros cada vez mais elevados e isto não pode ser uma coisa boa, nem se pode manter indefinidamente.

A questão mais controversa é identificar as causas de tudo isto e atribuir as responsabilidades a algum governo ou a algum Primeiro-ministro.

Entre outras medidas o governo PS cortou, em média, 5 % nos salários dos funcionários públicos e aumentou o IVA (1).

Quanto às culpas não é preciso matar mais a cabeça, são todas de Sócrates.

Quanto às medidas, o PSD acha tudo mal, se fossem eles a governar não mexiam nos impostos e preferiam acabar a maior parte dos serviços públicos como os hospitais, as escolas, quem sabe algumas Universidades e Laboratórios do Estado, etc. Para muitos dos cerca de 700 000 trabalhadores do Estado trocava-se uma redução de 5% a 10 % por uma situação de desemprego. Claro que alguns teriam lugar em empresas privadas criadas à custa da extinção dos serviços públicos. Outros ficariam a receber reformas ou indemnizações e nada fazer. Passos Coelho tem uma outra solução, acabar com os serviços públicos, por exemplo ensino e da saúde, e dar o dinheiro que se gastava com eles a empresas privadas. Claro que é uma solução de preguiçoso e de quem não tem ideias. Em vez de matar a cabeça a pensar em soluções para melhorar o Estado optava por deitar dinheiro em cima dos problemas e esperar que alguém os resolva.

Demagogia não falta por todos os lados.

Marques Mendes concretiza melhor e fala em acabar com institutos do Estado. Tudo o que não dá lucro extingue-se. Em muitas Universidades e Institutos do Estado realizam-se estudos, fazem-se ensaios, escrevem-se livros, preparam-se apresentações a congressos, elaboram-se normas técnicas e regulamentos, fazem-se inspecções, cria-se e transmite-se conhecimento, etc., tudo coisas a que não se pode atribuir uma valor monetário concreto. Na opinião daqueles senhores extingue-se tudo. Sempre a solução mais fácil.

Depois, quando a crise passar e as empresas estrangeiras ou nacionais quiserem reinstalar-se os portugueses só sabem carregar paletes, fazer segurança nos centros comerciais e à porta das empresas, ou servir cafés e bebidas ao balcão de qualquer estabelecimento. Para os trabalhos de responsabilidade virão os Checos, os Ingleses e os Alemães. Voltávamos ao país da “piolheira” como era no final da monarquia, segundo as exactas palavras do nosso rei D. Carlos.

Entretanto alguns espertos, como o Dr. Marques Mendes e Marcelos, comandam a massa bruta a partir das suas duplas e triplas reformas, acumuladas com novos cargos políticos, vivendo em moradias de luxo nas encostas de Caxias, ou na Quinta da Marinha em Cascais, com vistas para o mar em zonas onde mais ninguém é autorizado a construir?

 

É tão fácil dar palpites!

 

Nota (1) - Teixeira dos Santos disse: - O Governo não quer aumentar o IVA por qualquer capricho, ou para pôr o PSD mal disposto, mas para termos receita necessária no sentido de se obter o objectivo orçamental" e assim diminuir os juros dos empréstimos de que Portugal necessita.

publicado por Eu mesmo às 19:47

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quinta-feira, 10 de Junho de 2010

Porque é que são sempre os mesmos a pagar a crise?

Os políticos e sindicalistas de esquerda radical enchem as ruas com manifestações monumentais, dizendo que têm de ser os ricos a pagar a crise. Também os habituais palpiteiros das televisões começam as suas pregações com a frase “É muito simples, basta …, blá, blá, blá, …”.

Então se é tão simples, e os governos são por natureza preguiçosos, porque é que não adoptam as soluções simples e eficazes dos treinadores de bancada?

Resposta:

Porque mesmo os ministros das finanças mais burros sabem fazer algumas contas.

Como podem ver, a explicação está nos grandes números. Os políticos e as profissões liberais podem ganhar muito mais do que os trabalhadores, mas acontece que o número de trabalhadores é muitíssimo maior.

Não consegui saber os números exactos de todas as parcelas, mas para o raciocínio que pretendo desenvolver um erro mesmo de 30% não altera muito as conclusões.


Exemplo de

ordenados

nº de pessoas
Prof. Liberais 5.000,00 € 5.000          ?
Deputados 3.708,00 € 230             v
Políticos 3.500,00 € 10.000        ?
Funcionários públicos 1.200,00 € 708.000      v
Trabalhadores privados 1.000,00 € 3.500.000   ?

 

Conclusão

Por enquanto a redução de ordenados dos políticos é uma brincadeira.

Quando as coisas piorarem vão a seguir os funcionários públicos.

Para o fim ficam os milhões de trabalhadores.

O problema é que os trabalhadores privados estão já nos limites mínimos de sobrevivência, à beira de pobreza.

O mais fácil é mesmo “atacar” os funcionários públicos, que constituem a maioria da classe média citadina que não consegue fugir aos impostos. Para os palpiteiros das televisões e os economistas de pacotilha é mesmo o alvo mais fácil e suculento.

Preparem-se colegas.

publicado por Eu mesmo às 22:34

link do post | comentar | favorito

pesquisar

 

Agosto 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
18
19
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31

posts recentes

Austeridade, austeridade ...

Quem ajuda quem?

Habilidade alemã

Frases célebres com utili...

Face Oculta

Fintados pela "amiga" Eur...

Quem não vai pagar a cris...

Explicação da crise

Soluções para a crise

Porque é que são sempre o...

arquivos

Agosto 2019

Abril 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Novembro 2018

Outubro 2018

Agosto 2018

Maio 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

links recomendados

Tempo

blogs SAPO