Domingo, 19 de Maio de 2013

Despedimentos na função pública = "selvajaria?"

O governo quer fazer coisas que sabe que não estão bem, portanto tenta sempre arranjar palavras bonitas para embrulhar ações feias, ou então diz, e depois diz que não disse. Começou pela revisão, depois lembram-se da refundação. Agora é a requalificação. As novas ideias começam sempre com um "re" e terminam sempre em "ão".

Despedimentos na função pública devem ser admitidos, tal como no setor privado, se houver uma causa justa para o fazer. Chama-se "justa causa". Se o trabalhador é um preguiçoso desobediente, um vigarista, um oportunista que não cumpre a lei deve obviamente ser despedido. Mas nesta caso assuma-se o assunto com todas as letras. Não se venha com truques. Requalificação o tanas!

Vejam o video:

publicado por eu-calipto às 19:39

link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 15 de Julho de 2011

sá Cristas, mora listas, etc.,

Gravatas fora do Ministério da Agricultura

Nova indumentária informal entrou em vigor esta manhã no Ministério da Agricultura, Mar, Ambiente e Ordenamento do TerritórioGravatas foram banidas para poupar no ar condicionado e na fatura de eletricidade.

Ler mais: 

http://aeiou.expresso.pt/gravatas-fora-do-ministerio-da-agricultura=f662026

 

Está tudo na página do CDS

http://www.cds.pt/index.php?option=com_content&view=article&id=734&Itemid=167

Com vídeo e tudo. Política de impostos do CDS.

http://videos.sapo.pt/duBzchRAgplQYNcQS3fJ 

"Paroles, paroles, paroles, ..."

 Depois de tantas "postas de pescada" a montanha pariu umas gravatas.

publicado por eu-calipto às 22:04

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 15 de Julho de 2010

Bens transaccionáveis? QREN? Quê?

Comissão de inquérito à Fundação para as Comunicações Móveis (FCM), que gere os programas e.escola e e.escolinha terminou os seus trabalhos - quarta-feira, 14 Julho 2010

 

O relatório, elaborado pela deputada do PSD Carina Oliveira, conclui que o Governo criou uma “situação de monopólio por parte da fabricante JP Sá Couto”, que produziu os computadores Magalhães, distribuídos no âmbito do programa e.escolinha aos alunos do 1.º ciclo. A relatora do relatório afirmou que a “acção directa do Governo distorceu as normais condições de mercado”, uma vez que nos requisitos definidos para o computador que seria entregue no programa e.escolinha “encaixava apenas um fabricante e apenas um computador: a JP Sá Couto e o Magalhães”.

 

Tivesse o Estado comprado computadores na Ásia, a oposição não teria colocado quaisquer objecções. Mas como o Governo entendeu que as operadoras de telecomunicações deveriam contribuir para dar computadores às crianças e, já agora, que esses computadores fossem fabricados em Portugal, estamos em presença de um desaforo intolerável. Segue queixa para a Comissão Europeia, antes que este péssimo exemplo se repita — não vá o país, sem se dar por ela, ainda poder vir a ter uma política industrial.

 

Governo? Oposição? Partidos? Sindicatos? Povo português?

- Desistam, Portugal é um país ingovernável !

 

Tirem-me daqui!

publicado por eu-calipto às 01:16

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 17 de Junho de 2010

Armando Vara e Eduado Moniz

Hoje à hora de almoço tinha o jornal Carreio da Manhã numa mesa e dei uma leitura.
Nem queria acreditar.
Depois de tudo o que se passou com a TVI e Armando Vara, a última coisa que eu esperava é que Eduardo Moniz e Vara se conhecessem pessoalmente e falassem ao telefone. Tudo confirmado por Moniz e gravado em escutas a Vara.
Moniz ligou a Vara para falarem sobre a candidatura de Moniz à presidência do Benfica. Queria saber se tinha apoio financeiro do BCP.
Agora sou eu a inventar: Será que se Vara tivesse prometido alguma coisa a Moniz este e a sua senhora falariam tão mal de Sócrates, do Partido Socialista e do próprio Vara?
Uma nojeira! E agora Manela ? O que é que o seu maridinho queria?


publicado por eu-calipto às 19:17

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 10 de Junho de 2010

Porque é que são sempre os mesmos a pagar a crise?

Os políticos e sindicalistas de esquerda radical enchem as ruas com manifestações monumentais, dizendo que têm de ser os ricos a pagar a crise. Também os habituais palpiteiros das televisões começam as suas pregações com a frase “É muito simples, basta …, blá, blá, blá, …”.

Então se é tão simples, e os governos são por natureza preguiçosos, porque é que não adoptam as soluções simples e eficazes dos treinadores de bancada?

Resposta:

Porque mesmo os ministros das finanças mais burros sabem fazer algumas contas.

Como podem ver, a explicação está nos grandes números. Os políticos e as profissões liberais podem ganhar muito mais do que os trabalhadores, mas acontece que o número de trabalhadores é muitíssimo maior.

Não consegui saber os números exactos de todas as parcelas, mas para o raciocínio que pretendo desenvolver um erro mesmo de 30% não altera muito as conclusões.


Exemplo de

ordenados

nº de pessoas
Prof. Liberais 5.000,00 € 5.000          ?
Deputados 3.708,00 € 230             v
Políticos 3.500,00 € 10.000        ?
Funcionários públicos 1.200,00 € 708.000      v
Trabalhadores privados 1.000,00 € 3.500.000   ?

 

Conclusão

Por enquanto a redução de ordenados dos políticos é uma brincadeira.

Quando as coisas piorarem vão a seguir os funcionários públicos.

Para o fim ficam os milhões de trabalhadores.

O problema é que os trabalhadores privados estão já nos limites mínimos de sobrevivência, à beira de pobreza.

O mais fácil é mesmo “atacar” os funcionários públicos, que constituem a maioria da classe média citadina que não consegue fugir aos impostos. Para os palpiteiros das televisões e os economistas de pacotilha é mesmo o alvo mais fácil e suculento.

Preparem-se colegas.

publicado por eu-calipto às 22:34

link do post | comentar | favorito
Sábado, 22 de Maio de 2010

Palpitocracia - novo sistema político

Os sistemas de organização da sociedade têm evoluído ao longo dos tempos, desde as cavernas, ou antes das cavernas, nas árvores, quiçá antes das árvores na praia, depois de sair do mar.

Primeiro, deveria haver um chefe de grupo e depois de tribo. Mais tarde com as tribos maiores vieram os reis – o primeiro grande sistema organizado – Monarquia. Quando a monarquia falhava aparecia por vezes a Anarquia. Os gregos experimentaram a Democracia, mas acabou por ser derrotada pelo Imperialismo dos grandes líderes de várias nações e povos. A monarquia foi sobrevivendo, evoluindo para as monarquias constitucionais, em que havia escolha democrática para os governos, mas não para o Rei. A República manteve a democracia mandando o rei às ortigas. O Comunismo veio na tentativa de se atingir um estado mais evoluído e responsável da relação entre os humanos, baseado na partilha responsável, mas falhou porque as pessoas não eram o que se esperava, ou ainda não estão preparadas para este sistema.

As democracias acabaram por ser aprisionadas pelos partidos e pelos grupos de pressão, entre os quais o mais poderoso – a comunicação social.

A democracia parece ser o menos imperfeito dos sistemas porque supostamente teria a capacidade de se renovar e se escolher para governar os povos, os elementos mais bem preparados e competentes. No entanto nada garante que as maiorias ao votarem façam realmente as melhores escolhas.

Presentemente em Portugal os órgãos eleitos são permanentemente contestados e pressionados pela comunicação social e pelos comentadores de serviço. O que dá audiências e desperta simpatias nunca são as opiniões dos governos, mas sim as das vozes críticas dos governos. Porquê? Porque quem está de fora pode dar “palpites”, que não sendo realizados ficam sempre como sendo a solução perfeita. Quem ouve as televisões e lê os jornais fica com a impressão que os governos estão sempre enganados e tentam prejudicar o país. Os comentadores têm sempre solução para tudo. Ideias tão simples e evidentes que até parece incrível como só os governantes não percebem.

Conclusão

O melhor sistema político para a sociedade portuguesa deverá ser, o que eu passarei a chamar a Palpitocracia. O governo formado pelos que dão palpites. Seria um governo em que todos os ministros teriam todas as pastas ao mesmo tempo, uma vez que os “palpiteiros” sabem de todos os assuntos.

Mas teríamos bons candidatos para o governo da Palpitocracia? Claro que sim!

Entre os ministros deste revolucionário sistema teríamos já garantidos os seguintes nomes:

Marcelo Rebelo de Sousa

Medina Carreira

Campos e Cunha

Pacheco Pereira

Bagão Félix

Paulo Rangel

Belmiro de Azevedo

Filipe Menezes

Santana Lopes

Manuela Moura Guedes

Sousa Tavares

Como Secretários de Estado, porque não aproveitar outros “palpiteiros”, os entrevistados frequentes de Mário Crespo: José Luís Arnaut, Ângelo Correia, Mota Pinto, etc., e ainda para os serviços de justiça e segurança os jornalistas do Sol – Felícia Cabrita e José António Saraiva.

Porque não experimentar?

Talvez um governo formado por estes iluminados “palpiteiros” salvasse Portugal.

Pelo menos não se gastava dinheiro em eleições cada vez mais inúteis.

Nota: Palpite - opinião ou sugestão, podendo ou não fundamentar-se técnica ou profissionalmente; pressentimento. (Típicamente usado pelos treinadores de bancada).

publicado por eu-calipto às 00:43

link do post | comentar | favorito
Domingo, 28 de Março de 2010

Nova moeda de comparação de grandes investimentos

 

 

Quando se ouve falar de grandes números não conseguimos reter ou compreender o seu valor relativo. Então há maneiras de tornar as coisas mais fáceis, como seja, arranjar novas unidades de medida, tal como se encontrou no "ano-luz" para as distâncias astronómicas. Só que em economia nenhum especialista se atreve a criar esta unidade. Eu, com pouca autoridade e responsabilidade nestas coisas, posso dar o meu palpite.

Então, com base no quadro anterior tomemos como unidade os dois submarinos comprados por Paulo Portas e que de pouco no irão servir.

1. O novo aeroporto custa 1,3 vezes o preço dos submarinos, mas na realidade serviria para mais qualquer coisa.

2. O Buraco do BPN foi de 2,3 vezes o custo dos submarinos e custa a cada português 180 Euros.

3. A linha de TGV de Lisboa a Elvas custa 3 vezes os ditos submarinos, que só dão despesa e não chamam turistas.

4. Portugal está a subsidiar a Alemanha ao comprar-lhe dois submarinos, ou seja, demos aos alemães metade do custo de uma nova ponte sobre o Tejo.

5. A indemnização de José Eduardo Miniz para sair da TVI é pouco, comparado com o buraco do BPN dos amigos de Cavaco, mas é muito quando comparado com o ordenado de Sócrates. O que Moniz recebeu dava para pagar o salário de um Primeiro Ministro durante 54 anos.

Conclusão: Tudo muito relativo. O que é inevitável fazer no futuro é melhor fazer já, pois a cada 20 anos o custo de uma mesma obra pública passa para o dobro. Se Salazar não tivesse feito a ponte 25 de Abril os capitães teriam de ter dado o nome "25 de Abril" a algum Cacilheiro com mais de 30 anos. Será que não serviu para nada? Pois quando não houver carros, nem gasolina, nem bicicletas, isto passa a ser verdade - não servirá para nada. Afinal a ponte que os capitães fizeram num dia sem gastar dinheiro já está mais que paga e dá lucro.

O que não serve mesmo para nada são os submarinos, alguns estádios de futebol, a maioria dos deputados e a quase totalidade dos nossos políticos, grande parte dos jornais e jornalistas, e ainda, alguns maus juízes.

publicado por eu-calipto às 00:06

link do post | comentar | favorito

pesquisar

 

Agosto 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

posts recentes

Despedimentos na função p...

sá Cristas, mora listas, ...

Bens transaccionáveis? QR...

Armando Vara e Eduado Mon...

Porque é que são sempre o...

Palpitocracia - novo sist...

Nova moeda de comparação ...

arquivos

Agosto 2018

Maio 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Maio 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Julho 2009

Setembro 2008

Agosto 2008

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

tags

todas as tags

favorito

Venha o diabo e escolha.

links recomendados

Tempo

blogs SAPO